Malditas Havaianas

havaianas

_ “Nada mais lindo que um casamento”.  Pensam as mulheres do alto do seu romantismo clássico.  O Amor, a decoração, os vestidos novos, os docinhos, as lindas palavras ditas no altar, o choro da noiva ao abraçar a mãe.

Mas a nós,  homens, criaturas desprovidas de sensibilidade, nós que bocejamos impacientes mesmo na hora dos votos, a nós interessam outros detalhes, por diferentes motivos.

Sim, nas festas de casamento há muito que nos agrade. Tem uísque, vodka, amigos dividindo o uísque e a vodka…

A mim, particularmente, me agradam os montes e montes de batatas das pernas femininas desfilando enrijecidas por poderosos saltos agulha. Podem chamar de fetiche ou seja lá o que for, não há evento social que reúna tantos saltos, sandálias, pés com esmaltes absolutamente ilibados, vestidos revelando pernas e panturrilhas, lindas panturrilhas.

Lembra da moça sem graça do departamento pessoal? A que aparece em jeans, tênis, olheiras todo santo dia. Quem diria que ao calçar seus tacones e num vestido preto, colado ao corpo, se tornaria uma verdadeira musa roliudiana dos anos 50, uma espécie de Lana Turner de Osasco.

É mais ou menos assim, as mulheres  no dia a dia são todas “Clark Kents”, escondendo por trás dos óculos as verdadeiras identidades. O vestido está para elas como o traje está para o super herói. Ao vesti-lo, revelam seus poderes, suas armas e principalmente seus saltos altos e dedinhos vermelhos.

Pois nossas heroínas estão deslumbrantes. Cruzam os salões tremulando o tecido de seus vestidos enquanto tomamos nossos uísques e vodkas. E a festa está apenas começando. Sabemos que sentaremos em mesas de oito pessoas e falaremos com estranhos sobre futebol, economia e política. Mostraremos que somos inteligentes o suficiente para vestir o terno bem cortado que vestimos e esperamos o grande momento quando, com os buchos cheiros de molho madeira e álcool, as garotas invadem a pista aos primeiros acordes de Bizarre Love Triangle.

Percebemos a magia enebriados pelo uísque e a vodka. Proseccos circularam livremente nas mãos e bocas delicadas das moças. O salão está escuro. O tio avô do noivo chacoalha como se estivesse num baile de carnaval. Uma prima do interior dança com a irmã. Enfim o amor está no ar, e com ele a testosterona.

E quando o clímax da cena se aproxima, quando pensamos estar no céu, baixamos o olhar e vemos abismados que os lindos sapatos de salto sumiram. Isso mesmo, aquela plataforma encantada que havia transformado tia Adelaide na Sharon Stone simplesmente desapareceu. Sob os pés femininos surgem como pragas as famosas sandálias Havaianas. Aquelas que não deformam, não tem cheiro e não soltam as tiras.

Olhamos assustados. Cadê as panturrilhas durinhas? Cadê as moças altas a minha volta? Cadê a magia?

Não há mais nada. As musas-heroínas voltaram a ser as primas, amigas, esposas e tudo aquilo com o que já nos acostumamos. Os pés voltam a ter joanetes, as pernas estrias, o mundo problemas. Somos jogados de forma dura e imediata à realidade, ao concreto, ao amigo que passou do ponto e nos oferece um pedaço cortado da gravata do noivo.

É hora de ir, antes que apareça alguém de Crocs.