Quando troquei Nietzche por 50 Tons de Cinza

Salome

Tenho como lema nunca largar um livro depois de começado. Isso já me causou problemas. Fui obrigado a terminar alguns muito ruins. Porém, masoquismo tem limite e às vezes eu quebro minha própria regra.

Foi o que aconteceu com “Assim Falou Zaratrustra”, do Nietzche.

Já havia lido “O Anti-Cristo”, outra obra importante do filósofo alemão e também não gostei. Nietzche defende com paixão (muita paixão) que somos apenas um estágio intermediário da evolução do ser humano. O estágio final desta evolução é o “Super-homem”, ou seja, o homem mais íntegro, mais puro e melhor.

Até aí parece bem bonito, concordo, mas em sua argumentação Nietzche explica que características como solidariedade ou caridade são empecilhos para a chegada do “Super-Homem”. Ele defende que sejamos guerreiros, que tenhamos inimigos e um monte de coisas esquisitas.

Separei alguns trechos para exemplificar:

“Quem conhece o leitor não faz nada mais por ele. Um século de leitores e o próprio espirito há de feder.

Se a todos for permitido aprender a ler, irão estragar, a longo prazo, não apenas a escrita mas também o pensamento”.

“Não vos aconselho a trabalhar, mas sim a guerrear. Não vos aconselho a paz, mas a vitória.”

“Tudo na mulher é um enigma, e tudo na mulher só tem uma solução, chama-se gravidez.”

Pois bem, depois de 100 páginas com essas frases de efeito das quais discordo completamente, desisti de Nietzche para me embrenhar nos 50 Tons de Cinza”, best seller de anos atrás que voltou à fama graças ao filme.

Fiquemos inteirados do assunto do momento.

A primeira impressão é bastante negativa, não gostei do texto da moça, um verdadeiro festival de frases feitas e clichês, tanto estilísticos como na trama. Qual a originalidade em Anastácia se levantar da cama de madrugada e encontrar o príncipe encantado tocando uma linda música ao piano? Verdadeiro festival do lugar comum.

Só que não posso largar de dois livros em seguida, isso é demais para minhas regras, então sigo em frente na tarefa masoquista (aliás duplamente masoquista) de ir até o fim.

E eis que pego surpreendido por encontrar coisas positivas, ou que me fizeram pensar. A trama é no primeiro momento a típica história da Cinderela, da mocinha pobre que encontra o príncipe encantado, se apaixonam e etc.

Só que o príncipe encantado da história é inseguro, dominador e sadomasoquista. O moço adora espancar a Cinderela.

Então imaginamos que Anastácia deveria se mandar e achar um bom moço, não? Não. Ela fica e isso nos incomoda. Não fica pelos presentes, nem pela beleza do Grey. Ela fica porque está morrendo de tesão. Ela goza até quando apanha e isso nos agride.

Confesso que não terminei o livro, não tenho a menor vontade de ler as continuações ou de ver o filme. Mas E.L. James transgrediu os contos de fadas e sou sempre a favor de transgressões. Fora que apimentar as cabeças cansadas de donas de casa no mundo todo é um mérito.

Meu caro Nietzche, mulheres não existem apenas para engravidar. Elas tem muitos desejos e podem ler fantasias masoquistas, podem sonhar com quartos cheio de equipamentos exóticos e podem exigir mais dos seus maridos na cama.

*Na foto uma moça segura o chicote enquanto Nietzche posa no lugar do cavalo. Espero que ela lhe dê umas boas chibatadas.

Arlindo e o Carnaval

Captura de Tela 2015-02-15 às 00.15.34

Arlindo quase sempre odiou o carnaval. Digo quase, pois por num período de poucos anos, quando ainda era pequeno demais para escolher as próprias roupas, a mãe o levava para as matinês do Juventus e ele adorava. Sempre fantasiado de pirata, Cowboy ou marinheiro, corria pelo salão juntando o confete caído para jogar ao alto repetidas vezes, enquanto aprendia sem querer as velhas marchinhas de carnaval.

Sua aversão a grande festa do Brasil começou na faculdade de direito. Lá conhecera as ideia de Marx e passara a ver no carnaval um símbolo da alienação do Brasileiro. Pensava no trabalhador explorado o ano inteiro que ao invés de lutar contra a opressão, caía na folia. No Brasil, o carnaval era o verdadeiro ópio do povo.

Anos depois, quando já estava crescendo profissionalmente no departamento jurídico de uma multinacional, Arlindo abandonou os princípios comunistas e passou a sonhar com um Brasil que enriqueceria pelo investimento privado. Nessa época, ele odiava o carnaval por outro motivo. Achava a festa um atraso de vida. Acreditava que a população deveria ter mais educação, conhecer melhor a cultura de outros países, se esforçar para crescer profissionalmente e não ficar rebolando seminua pelas ruas das cidades.

Hoje, chegando aos 50 anos, Arlindo continua a não gostar do carnaval. Aliás, também não gosta muito da própria vida. A carreira em grandes empresas não decolou, ele ocupa um cargo menor e é subalternos de advogados bem mais jovens. O casamento acabou e a ex-mulher mudou-se para Santos com os filhos. Neste carnaval de 2015, Arlindo decidiu ficar em casa, vendo uma maratona de filmes pela TV e pesquisando inutilidades em sites de compras.

Porém, na noite de sábado, era impossível ver o Netflix pois havia o enorme barulho de um bloco passando em sua rua. Acabou descendo para testemunhar a bagunça de perto.

Alguns jovens com microfones, cavaquinhos e violões puxavam o samba de cima de uma caminhonete e eram seguidos a pé por uma bateria que não tinha mais de dez integrantes. Em seu redor, pessoas do bairro se divertiam. Senhoras, casais e crianças acompanhavam o bloco, cantando e dançando. A música era “Taí”, de Carmem Miranda.

Longe da família, dos sonhos de justiça da juventude, da ambição de sucesso que um dia o motivara, Arlindo começou a seguir aquele humilde cordão, entoando em coro a canção que ouvira na infância. Depois de “Taí”, a banda tocou várias marchinhas antigas que Arlindo pensava ter esquecido.

Não se sabe se ele passou a gostar de carnaval naquela noite, mas por algum tempo, ele experimentou o ópio do povo, e nesse tempo nada foi mais importante do que som do bumbo, em sua imitação rítmica da batida do coração. Embalado pela música, voltou a ser o pirata, o cowboy, o marinheiro que corria pelos salões do Juventus amontoando confete nas mãozinhas para finalmente jogar tudo para o alto.

Pega na Mentira

Captura de Tela 2015-02-10 às 19.13.46

A novidade é que o povo está indignado e dessa vez não são os 20 centavos. Descobriram que os políticos mentiram nas últimas eleições. E quem está mais revoltado é o paulista, que foi engambelado pela Presidenta e pelo Governador.

Em muitos países a mentira não é bem vista, não se recomenda que os políticos falem uma coisa e façam outra. Aqui no Brasil não é bem assim, provavelmente esta é a primeira vez a mentira provoca uma reação tão negativa.

Falo isso com convicção. Desde sempre vejo políticos inventando as histórias mais estrambólicas em eleições e isso nunca foi problema para ninguém. O sujeito mostrava metrô que ainda não havia construído, hospital sem equipamento, escola sem professor, colocava uma musiquinha e estava tudo bem. _ “Vou construir 700 creches, 45 postos de saúde!” Depois ninguém se preocupava em verificar se ele fez ou não.

Houve uma época em que candidatos prometiam criação de postos de trabalho, um dizia que seriam 8 milhões e aí o concorrente trucava com 10 milhões. Mais fácil que blefar no poker.

Sempre me perguntei porque as pessoas insistiam em acreditar. Aliás, como em tudo na nossa ação política, a capacidade do Brasileiro aceitar ser embromado é seletiva, muda conforme seu gosto partidário. Assim, os Petistas não engolem as mentiras do Alckmin, mas acreditam em qualquer palavra que saia da boca do Zé Dirceu, e vice-versa.

Mas creio que esse tipo de ingenuidade não ocorra somente em nossas escolhas políticas. Quantas pessoas não se deixam enganar graciosamente em suas relações amorosas ou profissionais? Quantas mulheres não investem em relacionamentos com homens que as traem ostensivamente e preferem acreditar que eles realmente fazem hora extra todos os sábados a noite? Quantos jovens entram numa empresa trabalhando 16 horas por dia com a promessa de que isso irá trazer mais oportunidades futuras?

O brasileiro aceitou o plano Collor, fiscalizou os supermercados em nome do Sarney, comprou ações da Petrobras incentivado pelo Lula. Sempre estamos dispostos a acreditar.

Talvez Dilma e Alckmin tenham confiado demais nisso, em nosso histórico de autoengano e acharam que a mentira não precisava ter limite. Deu errado.

Penso que estamos num bom momento para mudar nossas atitudes. E sugiro que como primeiro ato, passemos a desconfiar mais dos políticos antes de nos engajarmos em suas campanhas. Cobrar o adversário é mais fácil. Se petistas e tucanos exigirem mais de seus próprios candidatos estaremos num caminho melhor. Pode ser ingenuidade minha, mas prefiro acreditar nisso.