Um casal Gay no Metrô

tumblr_m8jtpsoyqj1qj1bipo1_1280.jpg

Vi as duas garotas na plataforma da estação Paulista da linha amarela. Estavam de mãos dadas e demonstravam grande carinho entre si. Ambas tinham menos de 30 anos. Uma era branca, usava óculos antiquados e tinha um ar de nerd, como as segregadas nos filmes passados em colégios americanos. A outra era negra, mais alta e usava longos dreadlocks com enfeitinhos rosas e vermelhos.

Entrei no trem e comecei a ler. Passado um tempo percebi que estávamos no mesmo vagão. Então reparei que ninguém dava bola para as duas e comecei a pensar nesta crônica.

Há vinte anos, duas gays não poderiam demonstrar carinho num vagão de metrô. Seriam hostilizadas, atrairiam olhares de reprovação, seriam o assunto das conversas em seus entornos. Muitos anos antes, um romance de um negro com uma branca seria um pecado absurdo, acabaria nos jornais, nas páginas policiais.

No entanto, lá estavam elas, branca e negra, duas mulheres apaixonadas e ninguém se importava com isso.

Infelizmente, o mundo não é tão perfeito como o amor que sentem. Ainda há políticos que lutam contra o direito das duas. Aqui mesmo, na redes sociais, há milhares de pessoas que hostilizam outras pela cor de sua pele ou por suas escolhas afetivas.

Pior que isso, nos EUA, que estão séculos a nossa frente, tivemos esse terrível atentado no final de semana. Um único indivíduo capaz de espalhar tanto ódio e terror.

Sou otimista. Acredito que o trem da história só caminha em uma direção. Há cinquenta anos um negro americano não podia entrar em determinadas lanchonetes. Hoje um negro americano está deixando a Casabranca depois de governar o país com brilhantismo.

Há 70 anos tentaram exterminar todas as pessoas do meu povo. Executaram velhos, mulheres e crianças. E isso aconteceu na região mais avançada e culta do planeta. Hoje isso seria impensável.

Sei que ainda há um caminho longo para andar. O preconceito resiste como resistirá por muito tempo. Trumps e Bolsonaros nos lembram disso. Mas as novas gerações já compreendem de outra maneira.

As duas garotas do Metrô precisam ficar atentas com os loucos espalhados por aí, porém não podem se esquecer que já vivem num mundo em que o termo “sapatão” perdeu o sentido. O futuro será sempre melhor.

O atentado de Orlando será um nota de rodapé na história, assim como serão esquecidos um dia Malafaia e Feliciano. As moças de mãos dadas no metrô serão cada vez mais frequentes e, melhor que isso, cada vez menos notadas.

 

 

 

 

Anúncios

2 comentários sobre “Um casal Gay no Metrô

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s