A corrida de revezamento

A corrida de revezamento

O mundo é uma grande corrida de revezamento e os presidentes são os atletas que correm por seus países, trocando de bastão de tempo em tempo.

Se você ainda não sabia disso, está sabendo agora. E para te ajudar a entender o conceito, vou descrever a corrida no Brasil desde o fim da ditadura militar.

General Figueiredo

O último General presidente do Brasil chegou ao final de seu ciclo aos tropeços. Toda a pose de atleta e cavaleiro (nunca cavalheiro) de nada lhe adiantou. Fez uma corrida vergonhosa e chegou ao fim da linha coberto de vaias e desprezo. Pediu ao público para ser esquecido. No final deprimente de sua corrida entregou o Bastão para…

Tancredo Neves

Ídolo da torcida e esperança da nação caiu morto assim que encostou no bastão. Tiveram que chamar do banco de reservas seu substituto…

José Sarney

Sarney nunca sonhou em ser corredor. Estava feliz depenando o Maranhão quando num acordo foi colocado como suplente do Tancredo. Sem aquecimento ou alongamento teve de arrancar o bastão da mão do defunto e tocar um país em frangalhos. Fez um monte de presepadas e entregou um caos pior para…

Fernando Collor

Collor era o atleta dos sonhos: Forte, jovem e moderno. Infelizmente, ele desesenvolveu uma técnica de bater a carteira da plateia e correr ao mesmo tempo. Foi desqualificado antes do fim da prova. Ainda havia suspeitas de doping nasal. Foi substituído pelo mineiro…

Itamar Franco

Reserva pouco conhecido e sem grande carisma, Itamar nos surpreendeu e depois de muitos anos o Brasil teve alguém correndo de forma regular e na direção certa. Tirou os anos de atraso dos presidentes anteriores e entregou o bastão com louvor para o sociólogo…

Fernando Henrique Cardoso

FHC conseguiu mudar as regras do jogo e pode correr por dois trechos. Pode não ter sido o mais veloz dos presidentes, mas pelo menos foi na direção certa e manteve o nível mais elevado deixado por Itamar. Depois de tantos substitutos entrando de última hora, foi bom ter um titular indo até o fim e entregando o bastão para…

Lula

Carismático e falastrão, Lula era uma grande dúvida. Mas logo mostrou seu estilo de corrida. Manteve a direção dada por FHC e acelerou. Acelerou muito. Ultrapassou vários concorrentes, conseguiu elogios da plateia e dos adversários de outros países. Atravessou seus dois trechos sem grandes problemas e entregou o bastão para sua amiga…

Dilma Roussef

Dilma começou bem, correndo forte, mas logo começaram a acontecer coisas estranhas. Ela de vez em quando largava a corrida e dava uma cambalhota. Depois começava a xingar o preparador físico. Disse que só ela sabia a direção certa e passou a pular num pé só. Pra piorar, o comitê olímpico começou a suspeitar de doping em todas as corridas e Dilma tinha de correr e tratar de assuntos jurídicos ao mesmo tempo. A situação ficou tão difícil que foi surpreendida por…

Michel Temer

Quando parte da torcida começou a bater panelas, Temer aproveitou a confusão e passou uma rasteira em Dilma, lhe tomando o bastão. Ela gritava no chão – “Foi golpe“!- enquanto Temer corria sob olhares desconfiados da plateia. Apenas a imprensa esportiva estava ao seu lado. Noblat, Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes exaltavam emocionados a elegância e o estilo de correr do presidente. Temer era a solução, o galã, o exemplo. Não importava que batia carteiras como Collor e ainda pior, não importou o fato dele correr para o lado errado.

E agora?

Agora está chegando a nova troca de atleta. Quem será o novo corredor? Que direção seguirá? Nós é que vamos escolher. Muitos querem a volta de Lula, outros acham melhor colocar um atleta de tiro ao alvo na pista. Enfim, agora é com você leitor. Quem leva o bastão?

Anúncios

O suicídio de Janaína

O suicídio de Janaína

Muitos dirão que a decisão radical de Janaína foi intempestiva, passional. Algo deve ter se passado com ela. Porém, o que Janaína estava prestes a fazer havia sido planejado há algum tempo e seria executado com toda a tranquilidade.

Ela estava sozinha em casa. Era a noite em que o namorado ia à pós-graduação. Janaína decidiu abrir uma garrafa de Pinot Noir para saborear o momento. Baixou a luz para um tom suave e se acomodou na chaise long do terraço. Do 18o. andar, em seu apartamento, as luzes da cidade pareciam distantes.

Ela abriu o notebook. Antes do ato final, resolveu rever sua vida registrada no Facebook, primeiro passando os olhos no feed.

Havia  fotos de lugares distantes e mapas indicando viagens aéreas. Pessoas felizes fazendo selfies em Paris, na Disney e em Inhotim. Havia gente colocando fotos de gatos e reclamando do governo. Muita fake new sobre diversos assuntos e alguns textos pedindo a liberdade do Lula e investigações sobre Marielle. Janaína sentiu um tédio profundo, tomou mais um gole do vinho  e voltou novamente a atenção para o Facebook, deste vez passou a rever as inúmeras fotos que já havia publicado.

Lembrou sua viagem para a Califórnia, o curso de patisserie em São Francisco e os amigos que fez na época. Tinha fotos ainda mais antigas, do tempo em que fora casada. Jorge, o ex-marido aparecia em algumas exibindo seu sorriso que um dia fora sincero e depois tornou-se sarcástico. Ele ainda curtia um ou outro post de Janaína, mandava felicitações frias em seu aniversário. Era um homem bonito, apesar de tudo, tinha de admitir.

Reviu fotos de diversas fases profissionais. Da carreira infeliz no departamento contábil de uma construtora, das tentativas de se estabelecer como chefe até abrir a loja de bolos personalizados. Havia muitas fotos de bolos. Em formatos diversos. Bolos com noivinhos, com cachorros esculpidos em glacê, bolos que comemoraram nascimentos, aniversários, bodas de ouro. Não podia negar, seus bolos fizeram muitas pessoas felizes. Porém, o talento culinário era maior que o administrativo e Janaína, endividada, teve de fechar a loja.

Ao rever as fotos do Facebook, muitas emoções vinham à tona, muitas coisas boas. Mas  isso não seria suficiente para mudar sua decisão. Ainda assim, como sabia que era a última vez que fuçava a rede, voltou-se novamente ao feed. Tantas pessoas, tantos posts, tão pouco que a interessava. Egos e mais egos, mentiras e polêmicas inúteis. Mesmo os amigos e amigas de coração, pareciam menos interessantes na rede. Novamente a sensação de tédio.

Chegou a hora de desligar, iria seguir os passos que planejara.

***

Uma hora depois, quando Miguel chegou da faculdade, encontrou Janaína no terraço, ainda bebendo o vinho. Ele pegou uma taça e se dirigiu à garrafa.

“Alguma celebração especial?”

“Cometi meu suicídio social.”

“Oi?”

Ela levou a taça a boca antes de explicar.

“Apaguei minha conta no Facebook.”

Ele respondeu desinteressado.

“Fez bem.”

 

Quando tudo não é o bastante

Quando tudo não é o bastante

Kate Spade era uma das maiores estilistas do mundo. Bonita, talentosa, bem sucedida, ganhou tanto dinheiro que se quisesse poderia lustrar panelas usando Veuve Clicquot.

Anthony Bourdain viajava o mundo se hospedando nos melhores hoteis e comendo nos melhores restaurantes, namorava uma linda atriz italiana e era admirado por todos.

Os dois deram fim às próprias vidas entristecendo seus milhões de fãs, inclusive este desconhecido cronista.

Porém, além da tristeza, estes suicídios levantaram uma questão.

Se estas pessoas fantásticas que conquistaram tudo o que sempre sonhamos não suportaram o peso de viver, como ficamos nós, que atrasamos boletos, nos apertamos no metrô, temos nossos projetos engavetados, como nós atravessamos nossas míseras existências?

Minha impressão é que nossas vidas são ainda mais difíceis que as de gerações anteriores. Quando eu era um garoto de classe média em São Bernardo, filho de funcionários públicos que me deram absolutamente tudo, viajávamos para Águas de Lindoia em todas as férias e isso estava mais do que bom. De vez em quando almoçávamos no Dinhos da Alameda Santos e essa era a grande conquista. Sem Internet, sem o Trip Advisor e sem o canal TLC, viajar para o exterior era quase uma abstração.

Hoje, quando planejo uma viagem, estou em busca de uma experiência inenarrável. Não basta ir a Paris, é preciso se hospedar um hotel Boutique, encontrar um bistrô exclusivo que mais ninguém conhece, viajar para um vinhedo e tomar in loco um vinho que o Robert Parker indicou.

A felicidade começa a ter parámetros dos mais arredios. Pense num casamento há trinta anos. Havia comida, música e todos se divertiam. O mesmo com nossos aniversários na garagem de casa, quando capinhas de papelão enfeitavam pequenas garrafas de guaraná.

Hoje, para um casamento ser aceitável, a noiva precisa chegar de helicóptero. As pessoas tem de receber cacarecos como óculos e perucas de plásticos, as convidadas ganham Havaianas personalizadas e a despedida de solteira precisa ser em Nova York. Uma festa de aniversário infantil inclui monitores, atividades, tobogãs, tirolezas e as presenças supresa do Hans Solo e do Homem Aranha.

Evidentemente tanto o bistrô de Paris, como helicóptero do casamento ou o tobogã da festinha precisam ser compartilhados nas redes sociais. Felicidade só faz sentido se arrancar aplausos da galera.

Aparentemente, essa meta de felicidade com padrões cada vez mais inatingíveis tem trazido muitos problemas. O mundo vive uma pandemia de depressão, aparentemente, ao querer sempre mais, estamos eternamente insatisfeitos. Kate e Antonhy eram do time que efetivamente tinha essa vida de sonho, repleta de experiências exclusivas e mesmo eles parecem não ter encontrado paz de espírito.

Se você leu até aqui esperando repostas para essas questões, sinto decepcioná-lo. Não sou o sujeito que vai salvar o mundo dessa crise de desesperança. Meu único palpite é que no caminho que seguimos não vamos encontrar a tal felicidade. Talvez o caminho seja bem mais simples. Talvez encontremos o pote de ouro quando deixarmos de buscá-lo com tamanha sanha.

P.S 1 – O título do post foi emprestado do livro de mesmo nome de Harold Kushner. Vale ler.

PS. 2 – Raul Seixas ajuda a entender essa angústia em Ouro de Tolo:

Eu devia estar feliz pelo Senhor ter me concedido o domingo
pra ir com a família no jardim zoológico dar pipocas aos macacos
Ah, mas que sujeito chato sou eu que não acha nada engraçado
Macaco, praia, carro, jornal, tobogã, eu acho tudo isso um saco

Embratel – Capítulo final?

Embratel – Capítulo final?

Segunda-feira, 4/6/2018, fiz um comunicado à Anatel reclamando do meu problema infindável com a Embratel.

A Embratel me ligou agora, 06/06/2018 as 10:18, uma moça chamada Natália

O protocolo 20181679526494 me foi passado.

Natalia fez perguntas para confirmar os dados da conta e leu a reclamação que fiz na Anatel.

Ela afirmou que cancelou 1.906,02 das dívidas indevidas que a Embratel me cobrava há meses.

Aparentemente resolvi uma questão que se arrastava como pode-se ver nesse post.

Sou acometido por uma mistura de sentimentos. Um lado meu quer dar cambalhotas na paulista coberto por purpurina. Outro lado continua cabreira, como se na semana que vem um funcionário da Embratel fosse me ligar de novo para me cobrar pela milésima vez.

Caro leitor, sugiro que se use o site da Anatel para registro de reclamações. Parece um canal bastante eficiente.

Prezadas Claro e Embratel. Darei um voto de confiança a vocês. Vou acreditar que  tudo está funcionando.

E com esperança, copio o letreiro dos filmes hollywoodianos dos anos 40:

THE END

*** Atualização de 07/6/2018 – A Embratel acaba de me ligar cobrando a mesma conta.

 

 

 

 

 

Intervenção Já!

Intervenção Já!

Brasileiros, brasileiras e brasileirxs, chegou a hora! Não podemos mais esperar! Brademos juntos: “Intervenção já!”

Acho que a maior parte do nosso povo já percebeu que a intervenção urge. A situação não pode continuar como está. Mudanças são necessárias.

Neste momento complicado da política, surgiu um grupo de brasileiros defendendo a tal intervenção militar. Que eu não entendi muito como funciona.

Pelo que li nas redes sociais, esse pessoal defende na verdade o golpe militar, mas eles tem vergonha de usar a palavra “golpe” e usam “intervenção”.

Os fãs desta proposta acreditam que militares tomarão o poder e resolverão por mágica todos os nossos problemas. São militares craques em economia, em educação e segurança pública. Notem que ninguém sabe quem seria o presidente militar, mas ao que parece, o uniforme verde caqui deve dar uns poderes para o sujeito que se transforma em Theodore Roosevelt e nos salva de todas as mazelas. Mais ou menos como a intervenção na segurança do Rio ou pelo menos o que se sonhava dela.

Caros intervencionistas, eu tenho uma péssima notícia. Não existem super herois. Não é porque o sujeito aparece lustroso na parada de 7 de setembro que ele sabe como administrar um país. Sinto informar. Sua ilusão de que um super-general vai chegar e nos salvar simplesmente não faz sentido.

A intervenção que eu proponho aqui é bastante diferente. Vou chamá-la de “intervenção comunitária”.

No lugar de esperar um super-general-mágico para salvar nossas escolas, nossos hospitais e nossa ética, sugiro que cada um de nós comece a intervir no seu bairro.

Podemos começar com uma escola pública, junte um grupo, marque uma conversa na diretoria. Descubra o que a escola precisa. Talvez precise material, talvez uma reforma, uma pintura. Tenho certeza que com uma vaquinha e com um pouco de esforço coletivo, você consegue melhorar a escola.

Talvez você possa intervir na segurança do bairro, se apresentando na delegacia, conhecendo os policiais, criando grupos de whatsapp onde os vizinhos se ajudam e se informam mutuamente.

Será que a praça do bairro não precisa de uma intervenção no jardim? Quem sabe a praia que você frequenta não precisa de uma intervenção para retirar o plástico.

Sua empregada é alfabetizada? Pense em que bem você faria se ensinasse ela a escrever.

Tenho certeza que existem muitas intervenções que podemos fazer juntos com vizinhos e amigos. E inclua aí uma intervenção de consciência, onde as pessoas entendam que fazer é muito melhor que falar. Principalmente falar nas redes sociais.

P.S. Ano passado eu e uns sonhadores amigos intervimos em escolas pública distribuindo livros e fazendo atividades de Incentivo a leitura para crianças. Tenho certeza que isso foi  mais efetivo para o futuro do país que passar fake news no Zap. E acreditem, foi muito prazeroso.

Vejam aqui:

https://www.facebook.com/projetolendoomundo/