Um Lula para chamar de seu

Um Lula para chamar de seu

A Esquerda tem umas manias engraçadas.

Talvez a principal delas seja o fetiche por hashtags. Para a Esquerda, qualquer questão da humanidade pode ser resolvida por uma boa palavra de ordem precedida pelo jogo da velha. Depois é só colocar a dita na fotinho do perfil e pronto, cumpriu-se o dever cívico.

#golpe    #foratemer    #mariellevive   #lulalivre   #elenão

Mas há um fetiche talvez ainda maior da esquerda que é o fetiche pelo Lula. A esquerda é como aquela moça apaixonada que não importa o que faça o namorado ela sempre perdoa. Mesmo diante de todas as evidências, ouvimos entre suspiros – Me traiu? Duvido, ele é tão #fofo! 

Já a direita é uma moça que não tem namorado e inveja o amor da Esquerda por Lula. Não que ela queira o Lula para ela, muito pelo contrário. O que a direita queria era um namorado de verdade, alguém para se entregar do fundo do coração.

Primeiro tentou o namoro com o Aécio, mas durante o primeiro encontro ele deixou o celular na mesa do restaurante enquanto ia ao banheiro. Lá estavam gravadas mensagens desagradáveis de propinas de 2 milhões, de assassinato do primo. A Direita saiu do encontro correndo para que Aécio não pudesse ver suas lágrimas.

Depois tentou Cunha. Kataguri fez uma caminhada de mil quilómetros a pé para expressar seu apoio ao ex-deputado que acabou na cadeia. Novo engano.

Sem Cunha e Aécio surgiu uma rápida paixão pode Temer. Mas de novo fitas gravadas estragaram a paixão.

Daí veio Dória, o namorado perfeito, bem vestido, chic, falava francês. Um verdadeiro luxo. A direita acreditou nas suas mentiras por um tempo, mas ele resolveu dar o fora, renunciando ao amor que recebeu.

Luciano Huck desistiu do namoro antes de beijar, Geraldo parecia um bom moço mas faltava-lhe sex appeal, Amoedo beijou mas faltou pegada.

Eis que surge Bolsonaro, forte, másculo, macho alpha de verdade. Arma na cintura e dedo em riste, Bolsonaro pode ser para direita aquilo que o Lula representa para a Esquerda. O namorado dos sonhos.

E seus defeitos? A ignorância, a falta de projetos, burrice, corporativosmo, ausência de planos para o Brasil, o autoritarismo?

Ora, ninguém é perfeito. Afinal, o amor perdoa tudo.

Será que a direita finalmente achou um Lula pra chamar de seu?

 

Bolsonaro e o Perdão

Bolsonaro e o Perdão

Hoje foi o Dia do Perdão para os judeus. Escrevo ainda cansado depois de 24 horas de jejum, muitas delas rezando. Se vocês acham o Cabo Daciolo religioso, é porque não me viram no Iom Kipur.

No Dia do Perdão precisamos meditar sobre tudo o que fizemos no último ano, perdoar a quem nos ofendeu, perdoar a nós mesmos e pensar em boas ações para o futuro.

Porém, fora da reza, nos corredores da sinagoga, só se falava em eleições. Mesmo nos momentos mais intensos de oração, quando eu deveria estar 100% concentrado nos meus compromissos, a imagem do Bolsonaro me vinha à cabeça.

Boa parte da pessoas que conheço vota em Bolsonaro e isso me assusta.

Nos meus 47 anos de vida (eu sei, pareço menos), nunca houve um candidato que me provocasse tanto asco. Nunca houve um candidato com o potencial destrutivo que vejo em Bolsonaro. Poderia ficar horas falando motivos pelos quais eu o odeio e ao mesmo tempo, tenho medo dele. Mas não é esse o intuito desse texto.

Vejam a encrenca em que meti, me peguei odiando profundamente um cidadão bem no dia em que deveria perdoar as pessoas.

Evidentemente jamais terei simpatia por Bolsonaro, ele defende valores opostos aos meus. Mas por isso eu preciso odiá-lo?

Ele prometeu fazer as piores barbaridades contra nosso país se eleito e isso me dá um medo daqueles, mas por outro lado, muitos pensam que o meu candidato é um mal para o país. Como pedir respeito aos outros em relação a minhas ideias se eu não respeitar a opinião alheia?

Tenho convicção que Bolsonaro será um desastre completo e então continuarei me esforçando para que ele não seja eleito, porém devo fazer isso aceitando que muita gente pensa de outra forma e é meu dever respeitar essa posição.

Quem decide no final é o voto, isso se chama democracia. Se eu defendo a democracia preciso aceitar a pluralidade. Quem ganhar a eleição terá 4 anos para realizar seus planos e os perdedores podem contestá-los dentro dos limites da lei e da ordem. Impixe por mimimi de derrotado a gente já viu que não dá certo.

Embora eu torça para o melhor, preciso me preparar para o pior, aceitando com serenidade o que vier. Quanto ao ódio que o candidato me causa, ele está dentro de mim cabe a mim combatê-lo. Não há como almejar um mundo com mais amor se eu agir de forma violenta, mesmo que nas palavras.

*Me perdoem por ser monotemático nos últimos textos, mas onde quer que eu vá só se fala de eleições, difícil fugir do assunto…

Mulheres x Bolsonaro

Mulheres x Bolsonaro

A divisão entre direita e esquerda nunca teve a ver com feminismo.

Feminismo é a luta das mulheres por direitos iguais aos dos homens, seja no capitalismo, seja no comunismo.

Direita e esquerda tradicionalmente é uma divisão entre fãs do capitalismo e fãs do socialismo. Na minha opinião, até mesmo esse conceito está superado. Hoje, direitistas apoiam um Estado menor, com um enfoque liberal e o povo da esquerda sonha com o Estado de Bem-Estar Social (Welfare State), nos moldes da Europa ocidental dos anos 70. Ambos são capitalistas.

Curiosamente, por motivos que desconheço, a direita brasileira, especialmente  a mais extremada,  colocou a luta contra o feminismo como uma de suas pautas fundamentais.

O Pastor Feliciano diz que os direitos femininos destroem a família e estimulam o homossexualismo; Otávio de Carvalho diz que feminismo é coisa de mulher trouxa; Rodrigo Constantino diz que Scarlett Johansson ficou horrorosa por cortar o cabelo curto ao estilo feminista.

Scarlett-Johansson feminista.jpg
Será que a Scarlet feminista ficou mesmo horrorosa?

A extrema direita anda dizendo até que feminismo é comunista, seja lá o que isso quer dizer.

Toda essa problemática não passaria de uma curiosidade nas redes sociais se não fosse Bolsonaro, representante da Extrema Direita, liderar a corrida presidencial de 2018 com chances reais de vitória.

Bolsonaro seguindo os passos da direita radical se coloca contra o feminismo, repete o padrão do patriarcado e faz o estereótipo do homem macho tradicional. Ele tem mais de 20% das intenções de voto porém enfrenta uma rejeição de 40% do eleitorado. Sua principal barreira para chegar ao Planalto são justamente as mulheres.

Por motivos ideológicos e sem qualquer explicação lógica, a direita radical decidiu se posicionar contra o feminismo e justamente essa decisão está impedindo a direita de tomar o poder. Talvez isso sirva de lição a todos aqueles que preferem seguir a cartilha de determinado grupo ideológico no lugar de ter uma visão mais pragmática sobre os temas urgentes que nos afligem.

Se isso é ruim para os políticos, ainda é pior para as pessoas comuns que andam nas ruas, atrasam prestações e tomam café coado. Se as mulheres querem direitos, isso é totalmente legítimo, são elas que sentem na pele as diferenças de tratamento em relação aos homens. Me pergunto por que o feminismo soa como ameaça para tanta gente.

 

Desejos de ano novo

Desejos de ano novo

Que em 5779 não tenhamos pessoas sendo esfaqueadas nas ruas

Que em 5779 não tenhamos incêndios em museus

Que em 5779 as campanhas políticas falem em amor e não em ódio

Que em 5779 tenhamos união

Que em 5779 tenhamos empregos

Que em 5779 os venezuelanos famintos sejam acolhidos e protegidos

Que em 5779 livros sejam mais importantes que armas

Que em 5779 os problemas reais sejam resolvidos e os imaginários esquecidos

Que em 5779 as crianças estejam em ótimas escolas

Que em 5779 as pessoas tenham forças para seguir em frente, mesmo que as dificuldades nos digam que não há mais por onde ir.

Que em 5779 a esperança vença a desesperança

Que em 5779 as palavras ditas com educação vençam os gritos inflamados

Que em 5779 cada um pense em quem está ao seu lado

Que em 5779 todos aprendam que não adianta rezar na igreja e tratar mal o garçon

Que em 5779 as mães não precisem chorar por seus filhos

Que em 5779 tenhamos coragem para enfrentar os obstáculos

Que em 5779 tenhamos sabedoria para entender que a maioria dos obstáculos está dentro de nós

Que em 5779 tenhamos música, teatro, shows, livros e filmes para todos

Que em 5779 as pessoas entendam que para Deus somos todos iguais

Que em 5779 tenhamos paz

Que 5779 seja doce para cada um de vocês

 

Os Incendiários do Museu Nacional

Os Incendiários do Museu Nacional

Em 2011, durantes as manifestções violentas que sacudiram o Egito, o Museu do Cairo estava em risco. Porém, milhares de egípcios voluntariamente cercaram o prédio defendendo o acervo que é um dos mais valiosos do mundo.

No Brasil, nosso mais antigo museu virou cinzas. Mas aqui, não havia brasileiros para defender o patrimônio cultural, só havia voluntários com galões de gasolina, loucos para destruir as peças de valor incalculável.

Se vocês não viram esses incendiários, eu vi, alás os tenho visto há tempos. Ainda hoje eu os encontrei, vejo suas caras inquisidoras e o fogo que queima qual fogueira medieval.

Faz tempo que leio os ataques à cultura nas redes sociais, são tochas em forma de memes com mentiras sempre atacando projetos culturais. Falam da lei Rouanet e atacam a opinião dos artistas usando a lei como algo negativo, são ataques aos grandes mestres da nossa música, Chico, Caetano, Gil e outros em função de suas crenças e opiniões.

Há grupos organizados que conseguram tirar a exposição Queer Museum de um centro cultural em Porto Alegre e depois atacaram com pedras funcionários do Museu MAC.

São grupos pedindo o fim do Minc, pedindo o fim da Lei Rouanet, pedindo cortes no orçamento da cultura. Aliás, se você não sabe, a Cultura consome 0,03% do orçamento da União. Você acha mesmo que é isso que está provocando a crise?

Eu prefiro não citar nomes mas vou citar assim  mesmo.

A Radio Joven Pan é uma das campeãs  na campanha para promover o ódio à cultura. Eles tinham uma jornalista chamada Joyce Hoffman, que é do PSL, partido do Bolsonaro, ela pediu no ar o fim do financiamento a todos os Museus e o fim da Lei Rouanet. Ela foi uma das líderes da turma que incendiou o museu.

Roger Moreira, que num passado distante fez a ode à zoofilia – Mary Lou – ataca artistas que não pensam como ele. Villa, outro da Pan diz diariamente que a arte e a cultura brasileira não tem valor. Ataca também a universidade pública. Pra que gastar com uma universidade? O Brasil precisa economizar.

São tantos famosos, mas há inumeros incendiários anônimos. Entre os meus connhecidos vejo dezenas deles. Dizem que o Brasil não precisa de um Ministério da Cultura, afinal nem a França tem um. Dizem que o cinema de Hollywood não usa leis de incentivo para seus filmes, por que o Brasil precisa delas?

Eles aprenderam tudo isso nos memes. Mas não desconfiam que é mentira. A França tem um Ministério da Cultura. O governo americano gasta milhões anualmente em incentivo fiscal para o cinema, inclusive nas super-produções. A Alemanha também, assim como o Japão, a Inglaterra ou a Italia. Mas nossos incendiários não se importam com a verdade. Preferem acreditar nas correntes de Whatsapp.

Ainda hoje estavam eles lá, atacando a Cultura, ao mesmo tempo que fingiam se importar com o Museu incendiado. Ao lados deles políticos e candidatos desfilando sua hopocrisia.

Dilma, que saiu da presidência há dois anos culpou Temer pela tragédia, como se o descaso com o Museu fosse diferente nos tempos dela. Alckmin ensinava como se administra o bem público, fingindo se esquecer que em seu governo o Museu Língua Portuguesa, o Butantã e o Memorial da América Latina se incendiaram com o mesmo descaso.

Bolsonaro só faltou comemorar o incendio. A sua solução é acabar com o Minc, acabar com a arte. Pegar o dinheiro que sobra e investir nos filmes pornô, onde os fãs das armas podem se excitar vendo a pistola do Alexandre Frota.

Perdoem a virulência deste desconhecido blogueiro. Vivo para e pela cultura. Trabalho o dia todo e escrevo à noite, quero levar cinema e livros para cada brasileiro. Não aceito e jamais vou aceitar as tochas do ódio e torço para que meus leitores estejam ao meu lado. Não há grande nação sem cultura e nossa cultura é maravilhosa. Temos de defendê-la.