Adeus Harry Potter. Muito obrigado!

Terminei o segundo livro do Harry Potter, A Câmara Secreta. Sei que não parece algo extraordário, a maioria das pessoas fez isso há muito tempo. Porém, esse foi um fato marcante para mim.

Até uns 4 ou 5 anos atrás eu inventava histórias diariamente para minha filha dormir. Era um desafio, ela era exigente. Eu espremia a cachola para botar ideias para fora.

Um dia, para facilitar a minha vida e porque ela já estava ficando grandinha, comecei a ler o primeiro Harry Potter. Minha filha dorme em casa de 4 a 6 dias por mês e muitas vezes ela está cansada e pega no sono logo que deita. Assim, eu levei anos para ler dois livros da saga e terminei neste final de semana.

Foram inúmeras noites repetindo o ritual e me embrenhando nas aventuras do bruxinho enquanto via minha filha crescer. No fim, ela já estava com 11 anos. Não é idade para ouvir histórias na cama, mas decidimos juntos ir até o fim deste e encerrar essa etapa da nossa relação.

Ao ler a última página percebi que virava também uma página da minha vida. Que abandonaria esse hábito como já abandonei muitas coisas que amava fazer.

– Nunca mais troquei uma fralda sem me me importar com o cheiro azedo.

– Nunca mais peguei minha filha no colo e a senti leve como um esquilo e nunca mais senti medo de tocar na moleira macia.

– Voltando ainda mais no tempo, nunca mais joguei futebol com os amigos num certo campo em São Bernardo que era nada e tudo ao mesmo tempo.

– Nunca mais sentei num banco de colégio acreditando que o futuro estava a minha frente e que eu poderia ser tudo o que quisesse.

– Nunca mais beijei meu avô.

Agora é a vez de, nessa eterna sucessão de abandonos, deixar para trás Hogwarts e as vozes que inventei para cada personagem. Minha filha vai terminar a saga lendo em silêncio como é mais adequado para sua idade.

Adeus Harry Porter, obrigado por estar ao meu lado nestas noites tão felizes.  Só espero que a voz que criei para você sobreviva na cabeça da Esther e que ela ressoe ainda que em pensamento, nos feitiços e magias da adolescência.

Anúncios

Vou chorar

Captura de Tela 2017-06-06 às 16.37.09.png
A imagem que faço de mim

Já contei a vocês que choro?

Choro muito, choro pelos mais diversos motivos. Filmes, livros, histórias, comerciais de Tv, locuções do Galvão Bueno, replays de gols do Palhinha… Sou um sentimental.

Comecei a listar mentalmente e decidi expor alguns exemplos das coisas que me fizeram chorar:

Filmes: À Procura da Felicidade, O Milagre de Anne Sullivan, Laços de Ternura, Cinema Paradiso, O Campeão, Peixe Grande, A Vida é Bela, Lado a Lado, Noites de Cabíria, Imitação da Vida, Filadelfia (esse eu tive uma crise de choro no carro, quando tentava sair do estacionamento do Shopping), Tarde Demais para  Esquecer, que é o maior melodrama da história.

Animações: Dumbo, Toy Story 3, Divertidamente.

Livros: Patrimônio (Philip Roth), Manoelzão e Miguilim (Guimarães Rosa), Reparação do Ian McEwan.

Quadros (sim, eu chorei no museu): Baile no Moinho da Galette (Renoir) e o Guernica (Picasso).

Séries de TV: Glee, outro episódio do Glee, quando cantam Imagine no Glee, quando o menino lembra do pai no Glee…

Acontecimentos: Morte do Telê Santana, posse do Obama, Morte do John Lennon. A morte do Lennon é um fato curioso, eu era criança e não me importei na época. Mas até hoje, eu penso no assunto e me comovo terrivelmente. Piora se ouço a música do Beto Guedes: “Oh minha estrela amiga, por que você não fez a bala parar”?

Enfim, choro não apenas pelas coisas tristes, choro pelas coisas belas e choro quando vou contar que chorei ou quando tento me lembrar de uma fala do filme. Enfim, sou quase patético.

Mas escrevi tudo isso para contar que domingo chorei por um motivo muito especial, eu chorei ao ver minha filha cantando Beatles com um grupo musical da escola.

Foi covardia, minha filha num grupo no estilo Glee cantando músicas do John Lennon.

A paternidade é a mais fascinante experiência da vida. Mudamos nosso entendimento do mundo ao obervar uma criança desde seus primeiros dias. Um chorão como eu se encanta com as diferentes conquistas. A criatura que tem dificuldades em fazer as coisas mais simples como engolir saliva ou engatinhar de uma hora para outra escreve uma poesia ou te supera no Clash of Clans.

Ela tem 11 anos. Em breve chegará a adolescência, os namoros, as decepçcões, as conquistas, o vestibular, o primeiro emprego…

Vou precisar de lenços de lenços, mutos deles.

 

Blogueiro me chamou de Quadrúpede e foi preso

Captura de Tela 2017-03-22 às 15.55.45.png

Imagino que todos saibam da condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães na Operação lava Jato. Se nunca ouviram falar disso, podem se informar aqui.

Dias antes da polícia bater em sua porta ele me chamou de quadrúpede, como a foto acima prova. Os dois fatos não tem relação, só coloquei no título do post para chamar atenção.

O que me deixa curioso na história é o motivo do xingamento. Dá pra ver que eu provoquei, mas será que ele precisava ter sido tão ofensivo?

Mas as coisas funcionam assim nas redes, né?

Um amigo jornalista de esportes é xingado em todo e qualquer comentário que faz no Twitter:

_ São Paulo jogou Bem!

_ VSF seu bambi cuzão!

Ou então:

_ São Paulo jogou mal!

_ VTNC gambá!

Ele foi xingado até por elogiar o hino do fluminense.

_ Virou crítico de música, palhaço.

Quem faz comentários políticos sofre em dobro.

Uma pessoa no Twitter defendia o direito das pessoas “de bem” portarem armas. Eu perguntei o que eram pessoas “de bem” e recebi como resposta uma chuva de xingamentos, ofensas e ameaças. Aparentemente, pessoas “de bem” xingam adoidado.

Não sei o motivo pelo qual as pessoas tem tanto prazer em ofender quem pensa diferente e já digo que não desejo o mal deste notável blogueiro que me atribuiu duas pernas a mais. Apenas torço para que ele não engrosse o coro das pessoas “de bem” que amam pregar o ódio.

E só para deixar bem claro, não há mesmo relação entre a ofensa que recebi e a prisão do ofensor dias depois. Minha influência na Polícia Federal não é tão grande como pensam.

 

 

Marli ´n Kedin

Captura de Tela 2017-03-15 às 18.36.36.png

Marli estava ansiosa, precisava chegar em casa a tempo de ver Camila acordada. A menina, em fase de tirar as fraldas, não via a mãe todas as noites.

Era comum Marli ficar até mais tarde no banco. Verificava planilhas, refazia cálculos. Quando tinha uma apresentação importante passava horas revendo o Power Point e treinando suas falas.

Miguel, o marido, estava acostumado. Dono de uma loja de pneus, sofreu um pouco no começo com as ausências da esposa. Depois, porém, passou a se acostumar com o conforto material que os bônus de Marli proporcionavam.

A primeira vez que o bônus superou os cem mil reais foi comemorada em Paris, na segunda vez, Marli já estava grávida.

Camila crescia menos rápido do que a fama da mãe no banco. Impiedosa com a equipe e obcecada por detalhes, Marli brilhou em todos os projetos que se envolveu.

Ao chegar em casa naquela noite, deu com Miguel saindo do quarto de Camila. A menina acabara de dormir. Ele fez sinal de silêncio com o dedo indicador em frente aos lábios e a chamou para comer algo. Ela o beijou na bochecha e disse que precisava trabalhar um pouco. Pegou um pacote de Pringles e abriu o notebook.

Ele, cansado de esperar por companhia, ficou em pé ao lado observando-a entrar no LinkedIn.

_ Faz duas semanas  que você faz isso toda a noite.

_ É importante. Preciso saber o que está acontecendo no mundo. No banco eu não tenho tempo para nada.

_ O LinkedIn não é o mundo – Retrucou Miguel contrariado.

_ O mundo é o que você vai conhecer se eu não perder o foco.

Miguel saiu de mansinho, pegou outro pacote de Pringles e foi ver futebol na TV.

Eu estava errado

Esse vídeo de 1996 é imperdível. Nele, Paulo Maluf se defende. Ele havia proibido o cigarro nos restaurantes e os jornalistas se mostravam indignados com a medida. Os mesmos jornalistas também atacavam o prefeito por ele obrigar o uso de cinto de segurança.

O tempo mostrou que Maluf estava certo e TODOS os jornalistas que o entrevistavam tinham uma visão retrógrada.

Eu não me lembrava de forma alguma dessa polêmica, mas tenho certeza que em 1996 eu estaria do lado dos jornalistas, mesmo sem nunca ter fumado. Eu estava errado.

Em 1996 eu era odiava tanto o Maluf que falaria mal mesmo que ele inventasse a cura da Aids. Qualquer atitude do Maluf era abominável aos meus olhos.

21 anos depois fica evidente o papel de ridículo dos jornalistas e isso me pensar nos dias de hoje.

Será que continuo errando? Será que minha antipatia por Dória não faz que eu julgue seus atos de forma preconceituosa. Como verei daqui a 20 anos os julgamentos que faço hoje? Que erros acabamos cometendo graças a nossas convicções?

Não seria mais inteligente se:

_ Os petistas se julgassem a corrupção do PT com o mesmo rigor que colocam na questão do Pixo.

_ Os coxinhas batessem as panelas contra a corrupção Tucana da mesma forma que o fazem quando a Dilma discursava.

_ O Reinaldo Azevedo aceitasse que a ciclofaixa é importante, apesar de ter sido colocada por um petista.

_ O Ricardo Noblat entendesse que por mais que ele ame o Temer, é inadequado um presidente trabalhar para livrar corruptos da cadeia.

imagine daqui a 20 anos, quando em todas as cidades grandes os carros não puderem ultrapassar as 25 milhas por hora, como será assistir os debates sobre a velocidade nas marginais.

Que tal leitor começar a mudança dentro de você, admitindo os erros de quem você admira e aceitando os acertos daqueles que você odeia.

Quem sabe assim veremos os políticos de forma mais humana? Quem sabe assim poderemos entender um pouco mais aqueles de quem discordamos. Quem sabe poderemos ser menos grosseiros nas redes sociais.

O Prefeito e o Presidente

doria e trump.jpg

No começo foi fácil, dava certo para o prefeito e para o presidente.

Diga que vai mudar as velocidades das Marginais e lá estavam as manchetes, estavam os fãs entusiastas e os desesperados opositores.

Fale de um muro no México, crie uma crise internacional pelo Twitter, ponha as redes sociais aos seus pés e fature artigos e mais artigos no mundo inteiro exibindo o topete arrogante.

Meus Deus como é fácil, dá pra fazer todo dia.

Pinte os grafites de cinza, ofenda os muçulmanos,  fantasie-se de lixeiro, proponha leis absurdas, tire do site da CET informações sobre queda de acidentes, apague do site da Casabranca matérias sobre aquecimento global, ofenda os grafiteiros, ofenda os latinos.

As dificuldades começaram no segundo ano, quando o prefeito se vestiu de veterinário  numa visita ao zoológico e não havia nenhum repórter para fazer o registro.

Enquanto isso, no hemisfério norte, o presidente usou as redes para chamar o Papa de maricas, mas nem os seguidores nem a imprensa se impressionaram. Sequer o Vaticano enviou qualquer resposta.

Foi quando o presidente e o prefeito perceberam que para manter a atenção do público e da imprensa precisavam se esforçar mais.

O presidente começou a ofender mais gente e de forma ainda mais gratuita. Chamou Steve Wonder de “porco cegueta”, disse que o Abraham Lincoln tinha uma barba ridícula e que planejava fechar a Disney para evitar a gritaria infernal daqueles pirralhos.

O prefeito se fantasiou de macaco, de Incrível Hulk, de Lula (ele até se esforçou para imitar a voz rouca) e baixou um decreto autorizando à Guarda Civil jogar tinta cinza nos tatuados que andavam pelas ruas. Nada adiantou.

No final de seus mandatos os dois estavam irreconhecíveis, silenciosos e exibindo sintomas de depressão. O prefeito fantasiou-se de mendigo e passou dias na cracolândia sem ser reconhecido. O presidente saiu pelas ruas e xingou um caminhoneiro que fazia seu lanche numa barraca de cachorro-quente. Apanhou como nunca.

A biblioteca que se incendeia

incendio biblioteca.png

Semana passada fui ao enterro de uma senhora que morreu aos 100 anos.

Pensei nas infinitas histórias que morriam com ela. Nas lembranças da infância na Alemanha em crise, na viagem de navio que a trouxe ao Brasil, no quanto deve ter sido estranho trocar a Europa por um país distante, tão diferente. Pensei nas histórias que ouviu de seus pais, de seus avós, histórias passadas no século XIX. Com certeza daria para escrever um livro, ou mais que um livro.

Diz um ditado que cada velho que morre é uma biblioteca que se incendeia.

Nas últimos meses tive a sorte de ouvir muitas histórias de pessoas com mais de 80 anos. Retratos do passado.

Ouvi histórias de como um viaduto de Santo André tem o nome de um pedreiro competente ou de como um médico presenteou seu paciente com um pato (e isso era normal na época). Histórias de como minha avó comprava carpas e as mantinha vivas em sua banheira antes de prepará-las. Histórias de um rico fazendeiro em Minas que levava uma marmita dupla para o trabalho pois se sentia na obrigação de dividir a refeição com quem necessitasse. Histórias do meu tio avô que foi soldado em Israel e participou de terríveis batalhas no começo dos anos 50.

Conversei com uma senhora com Mal de Alzheimer que perdeu a memória recente e consegue se agarrar a lembranças dos anos 30 e 40, como se estas lembranças fossem suas únicas conexões com o mundo. Com certeza ela já se esqueceu de mim, mas ainda se recorda de como subia nos sacos empilhados no armazém do pai.

Enquanto caminhava no cemitério, cruzando o mar de de granito, eu lia os anos de nascimento nas lápides: 1919, 1922, 1913, 1931. Fazia um estranho frio para a época do ano e a garoa começava a nos gelar. Eu porém, sentia calor, um calor vindo do imenso incêndio, de milhares de bibliotecas, de milhões de livros. Havia reflexo das chamas, havia brasas brilhando em cada túmulo.