Questão da Embratel

Em 02 de outubro de 2015 uma senhora chamada Cinthia Nabarrete abriu uma conta na Embratel usando o CNPJ da minha empresa. Soube disso em 2017 quando recebi a cobrança indevida. Desde então venho tentado resolver o caso.

Vocês podem ver um pouco desta história aqui e aqui.

Hoje, Camila da Embratel me ligou para cobrar as contas pela milésima vez. Eu expliquei os problemas então ela disse que o sistema caiu* e não poderia me ajudar. Ela disse para eu ligar para o 10321. Clique no links acima e entenda porque não gosto de ligar no 10321.

*Nas palavras dela foi um problema sistêmico.

Anúncios

PT x Ditadura Militar

PT x Ditadura Militar

Sou um observador atento e fiz uma descoberta que vai deixar a todos estarrecidos:

*

(pausa dramática)

*

Descobri que os entusiastas do golpe militar (em pleno 2018 eles existem!) não gostam do PT. Na verdade, eles odeiam o PT.

Não sei o motivo da birra, até porque vejo que os anos da ditadura militar foram muito parecidos com os anos do PT no governo.

Sei que agora o leitor deve estar me achando um insano, então vou expor abaixo os motivos que me fazem pensar assim.

1 .Nacionalismo e patritismo

Milicos e Petistas  sempre foram contra multinacionais. Defenderam a vida inteira as estatais. Bolsonaro disse numa entrevista que sonhava em executar o FHC porque ele privatizou a Vale.

Os militares criaram a Embraer, a Engesa, a Itaipu Binacional, Vale do Rio Doce, a Petroalcool, enfim, foram inúmeras estatais. O PT nesse ponto é mais capitalista que os militares, afnal, pelo menos fez concessões privadas de estradas e aeroportos.

2. Corrupção

É difícil medir corrupção, pois os autores do ato nunca declaram o valor roubado. Mas ao que tudo indica houve muita corrução nos dois períodos. No caso do PT isso foi bastante divulgado, afinal a Polícia Federal tinha liberdade para investigar e a imprensa tinha liberdade para noticiar.

No caso dos militares, tudo foi mais abafado. Para quem não lembra, os militares escolhiam os governadores em cada Estado e veja quem eles escolheram na época:  Maluf para SP, José Sarney para MA, Antonio Carlos Magalhães para BA… Para vocês terem ideia, formam os militares que colocaram o Maluf na política. Isso diz muito. Aliás, o termo “mar de lama” de corrupção ficou muito em moda na época do Geisel, pena que ninguém tinha a liberdade para noticiar o que acontecia.

3. Ciclo econômico do sucesso ao fracasso

Tanto militares como petistas começaram seu período de poder com um momento de bonança econômica. Os militares viveram o “milagre brasileiro”, com enorme crescimento. Os anos Lula também foram incríveis com crescimento, pleno emprego, grau de investimento e superavit primário.

Porém nos dois momentos houve uma virada e os grupos saíram do poder deixando um Brasil em crise. Embora digam que a crise do PT tenha sido a pior da história eu discordo. Figueiredo deixou o Brasil com 283% de inflação contra 10% de Dilma. As estatais dos militares eram máquinas de queimar dinheiro. Só em 1993 o Brasil começou a sair do atoleiro deixado pelo regime. A Crise da Dilma acabou em 2 anos.

4. Grandes obras

Os militares construiram Itaipu, Dilma fez Belo Monte. Os militares fizeram a transamazônica, o PT os estádios da Copa. Os militares começaram a fazer Angra, os Petistas as grandes refinarias. Sabe qual foram as construtoras nos dois períodos? Quem acertar essa ganha um Habeas Corpus.

5. Aliança com as oligarquias regionias

No Brasil existem famílias que sempre mandaram em determinados Estados. O Poder passa de pai para filho desde que a barba do Marechal Deodoro era rala. Nomes como Collor, Calheiros e Barbalho são os verdadeiros donos de certas regiões. Tanto militares como petistas se mostraram bem confortáveis ao se associar com muitas dessas famílias.

6. Ecologia

Os dois regimes foram fracassos nesse sentido.

7. Projeto de país

Tanto petistas como militares tiveram visão de longo prazo e projetos nacionais claros que conseguiram impor. Com erros e acertos evidentemente. Mas há de se destacar que eram grupos que tinha visão estratégica e vontade de implantar.

8. Crescimento da violência

Nos dois períodos a violência e a bandidagem cresceu horrores.

Diferenças

É fundamental falar das diferenças nesse caso.

Os 8 anos de PT foram 100% democráticos. Tivemos eleições com vários deputados, senadores e governadores de oposição exercendo seus cargos com liberdade. A impressa teve liberdade para falar mal do governo e os orgãos de justiça investigaram e condenaram o PT sempre que assim quiseram. Zé Dirceu foi preso durante o governo Lula. Isso é sinal de força das instituições.

No governo Militar jornais que apoiavam o regime como Estadão e Folha eram censurados. Os de oposição fechados. Não havia liberdade. Os crimes dos militares não podiam ser investigados e deputados foram presos, torturados e assassinados. Enfim, não havia democracia. Mais de 400 pessoas foram assassinadas por orgãos do Regime. Os militares assassinaram adolescentes e torturaram crianças. Levaram crianças para assistir à tortura dos pais. Enfim, entre os militares havia montros sádicos e psicopatas e estes foram apoiados pelo regime.

P.S. Vou publicar o texto mesmo sabendo do risco de perder todos os meus fãs e ainda ser diagnosticado com alguma doença mental incurável. Seja o que Deus quiser…

P.S.2 – Alguém sabe porque os fãs do Golpe Militar usam o termo “Intervenção” e não Golpe? Eles tem vergonha do golpe?

P.S.3 – Pode-se dizer que este texto comprementa esse aqui.

 

Dilma x Bolsonaro

Dilma x Bolsonaro

Sou um observador atento e fiz uma descoberta que vai deixar a todos estarrecidos:

*

(pausa dramática)

*

Descobri que fãs de Dilma não suportam Jair Bolsonaro e Bolsominions não suportam nossa ex-presidente. Acho que a antipatia também acontece entre os dois famosos políticos.

Não sei o motivo da birra mútua, até porque os dois personagens são bastante parecidos.

Sei que agora o leitor deve estar me achando um insano, então vou expor abaixo os motivos que me fazem pensar assim.

1.Terrorismo

Dilma participou de grupos terroristas quando jovem pois era de esquerda e achava justo a luta armada por melhores condições para os trabalhadores.

Bolsonaro foi preso nos anos 80 ao planejar atentados terroristas com o objetivo de conseguir melhores salários para os militares.

2.Nacionalismo e patritismo

Dilma e Bolsonaro sempre foram contra multinacionais. Defenderam a vida inteira as estatais. Bolsonaro disse numa entrevista que sonhava em executar o FHC porque ele privatizou a Vale.

3. Incoerência

No segundo mandato, para agradar ao mercado, Dilma escolheu um Ministro da Fazenda neoliberal, o contrário do que sempre pregou.

Bolsonaro também mudou o discurso para agradar ao mercado e se diz um neoliberal a favor de privatizações. Bolsonaro era tão parecido com Dilma nesse ponto, que até se declarou fã do Venezuelano Hugo Chavez.

4. Destempero

Esse não precisa nem comentar, né?

5. Discursos ruins

Dilma quer estocar o vento, Bolsonaro diz que pretende defender o Ornitorrinco da Amazônia. Os dois são quase gêmeos nessa área.

6. Patrimônio

Há que se ressaltar que ambos tem uma história de mais de 40 anos na vida pública e nenhum da mostra de ter enriquecido. São casos raros de políticos com patrimônios compatíveis com os ganhos.

Ecologia

Tanto Dilma como Bolso veem a preservação da natureza como empecilho para o progresso. Dilma liberou geral na destruição da Amazônia. Bolso quer acabar com todos os parques nacionais (ele só se preocupa com o Ornitorrinco da Amazônia).

Diferenças

Claro que nem tudo são semelhanças. Eu seria injusto com eles se não mostrasse as diferenças.

Bolsonaro é machista, racista e vive de espalhar o ódio. Dilma, nunca foi assim. Os discursos do Bolsonaro e a cegueira dos seus fãs lembram o Nazismo. Dilma não tem essa característica. Dilma gosta do Jean Willys, Bolso não.

Enfim, as diferenças são tão pequenas diante das semelhanças que eu quero propor uma trégua entre seus fãs. Sugiro que petistas e bolsominios se encotrem num boteco, peçam uma cerveja da paz e celebrem juntos a grandeza da Petrobras, a importância de Itaipu e a força das ideias de Chavez. Quem sabe podem lembrar os bons tempos de terrismo na juventude.

P.S. Vou publicar o texto mesmo sabendo do risco de perder todos os meus fãs e ainda ser diagnosticado com alguma doença mental incurável. Seja o que Deus quiser…

P.S.2 É injusto comparar a Dilma a um nazista potencial como o Bolsonaro, embora eles tenham pensamentos econômicos tão parecidos. O fato dele ser um vetor de ódio às minorias faz dele incompatível com o pensamento democrático de Dilma.

Keep Up With The Kataguiris

Keep Up With The Kataguiris

Kim é linda, Kim está na moda, Kim arrasa e junto com sua família e amigas, Kim vai aprontar todas nos ambientes mais sofisticados de Brasília.

Acompanhe a vida da família mais amada de Bervely Hills  nas terras Tupiniquins.

Kim Kataguiri e seu marido Ferkanye Holiwest são os líderes dessa turma chique que arrasa nas colunas sociais, nas fake news e nas redes sociais.

Elas atacam as inimigas, atacam os artistas, os gays e as femininas. Elas defendem o Temer, amam o Doria e amam a Escola de Etiqueta sem Partido.

Kim e Kanye
kim e Kanye arrasam nos figurinos

Muito bafo, muita intriga, muito xingamento pra galera da esquerda, venha você também curtir a família mais amada da Fiesp em Keep Up With Kataguiris.

kim1.jpg
Kim Kataguiri, essa turma arrasa

Auxílio-moradia

Auxílio-moradia

Caro leitor, não sei se você está ciente, mas sou o presidente-vitalício e o Juiz supremo da Todaunanimilândia. País pouco conhecido mas muito bem administrado por mim.

Ocorre que recebi um pedido de dois funcionários por Auxílio-Moradia e estou na dúvida, sobre qual deles vou favorecer. Só tenho o dinheiro para ajudar um.

Peço que o leitor aja como um juiz-assistente e me ajude nesta questão. Lembrando que o valor do Auxílio-Moradia é de 4.377,00Luc$. (Luc é a moeda corrente em Todaunanimilândia. Tem o câmbio de 1×1 com o Real).

Funcionário 1 – Rafael (nomes fictícios)

Rafael tem um cargo muito importante e ganha 33.900,00Luc$. Ele já tem Auxílio-Livro, Auxílio-Alimentação e Auxílio-Filho.

Rafael argumenta que seu salário está baixo e não tem reajuste há dois anos. A inflação em  Todaunanimilândia é de 3% ao ano.

Funcionário 2 – Eduardo

Eduardo é professor de literatura numa escola pública e mora de aluguel. Ele ganha 1.467,00Luc$ por mês. Ganha também Vale-Refeição e passagens de ônibus.

Ele diz que a sua situação financeira é tão ruim que ele não consegue nem se concentrar na aula.

O que eu faço leitor? Para qual dos dois dou o auxílio? Pode deixar seu voto nos comentários.

Aqui vou fazer um exercício de futurologia e aposto que a maioria dos leitores vai votar no Eduardo. Aposto ainda que se o Rafael tiver apoiadores, todos eles serão juízes brasileiros.

Fiz esse texto procurando entender por que aí no Brasil, os juízes tem valores e visão de mundo tão diferentes da grande maioria da população. São eles que tem a honrosa e difícil tarefa de julgar as pessoas, não deveriam ter uma valores éticos e morais mais próximos ao valores da população? O que faz com que tantos juízes acreditem que determinadas classes mereçam privilégios e outras não?

*PS. Após escrever o texto senti um certo remorso. Subi o salário do Eduardo e cortei todos os auxílios do Rafael. Em Todaunanimilândia só eu mereço privilégios. E não são poucos.

Das tecnologias para o divórcio

Das tecnologias para o divórcio

 

Desde os tempos das cavernas o homem desenvolve tecnologias para diversos usos. Começou com pedras afiadas, tacapes e o fogo, até chegar no videocassete Betamax, no Zoom da Microsoft e no Google Glass.

Hoje, praticamente não há ação humana que se faça sem o uso de tecnologias. Das nossas tarefas mais biológicas como comer e ir ao banheiro às mais sofisticadas, que envolvem relações pessoais e profissionais, dependemos de invenções humanas.

Com o divórcio, não poderia ser diferente, anos e anos de evolução não poderiam deixar pra trás uma matéria tão importante.

Aliás, como o divórcio é uma invenção moderna, que começou a ser usada com mais frequência nos últimos 50 anos, as tecnologias associadas a ele também são recentes.

A primeira delas é a união de duas invenções anteriores: O batom e o colarinho branco, que juntos, deram muito trabalho a advogados de família.

Depois vieram ótimas invenções com o mesmo uso, como a secretária eletrônica, o extrato do cartão de crédito via correio e o e-mail.

Porém nenhuma tecnologia ajudou tanto o divórcio como o celular. Aliás, com a chegada do Smartphone, o celular passou a ser um único dispositivo que comporta várias invenções poderosas para acabar com um casamento: O Whatsapp, o e-mail, a secretária eletrônica, o SMS, o cartão do banco, o localizador do GPS e o Tinder.

Posso usar um fato ocorrido comigo, nos tempos de casado, como exemplo da maléfica associação das tecnologias pró-divórcio.

Aconteceu quando passei um dias fora, viajando a trabalho. Ao contrario do que vossas mentes sujas podem pensar, passei os tempo trabalhando sem cometer um único ato ilícito. Se a Scarlett Johansson tivesse passado ao meu lado naqueles dias eu não teria nem reparado.

Porém, na minha primeira noite em casa, fui acordado de madrugada por um telefonema misterioso, cujo número de chamada eu não conhecia. Só aqui já temos duas tecnologias assassinas, o celular e o Bina. Eu não atendi a chamada misteriosa porque era tarde, não sendo o número de meus pais ou de alguém da família, não tenho obrigação de atender.  Minha Ex resmungou semi acordada – “Estranho tocar seu celular a essa hora logo depois de você passar uns dias fora”.

Ela tinha razão e mais estranho ainda foi o que ocorreu em seguida, uma nova tecnologia contra mim, um SMS vindo do mesmo número com um texto que não cheguei a ler até o fim, mas a parte que li dizia mais ou menos assim:

“Meu gostoso, quero te chupar inteiro. Minha @#$%$^ está te esperando. Quero pegar o seu $%ˆ&%** e te $%$@#$ até cansar…”

Apaguei a mensagem na velocidade da luz e tive uma DR na mesma hora. Minha Ex, mesmo sem ver o conteúdo do SMS falou um monte e eu, despreparado e assustado, dei a seguinte explicação:

_ Hum, ergh, quer dizer. Eu não sei… hum, engano. Acho que era… argh… 

No dia seguinte, no trabalho, o telefone tocou e era o mesmo número misterioso, atendi aflito, ansiando por respostas. Era uma voz feminina, lânguida, cheia de desejo. Eu interrompi e disse que deveria ser engano, que não a conhecia e ela se defendeu:

–  Mas ontem a gente estava conversando no MSN.

– Eu não tenho MSN.

_ Então desculpa.

Pois é, o MSN, mais uma tecnologia criada para acabar com o matrimônio e eu nunca a havia usado. Pensei na fragilidade das relações e em como estamos expostos ao acaso. Apaguei o número da memória do celular para o desgosto de alguns amigos para quem contei a história:

– “Pô, então me passa o número dela!”.

Meu casamento ainda resistiu um tempo mas acabou como acabam tantos outros. Não há como vencer a modernidade.

 

Três bilhetes, uma bala e uma criança

Três bilhetes, uma bala e uma criança

Na preparação para o ano novo, um homem na zona sul de São Paulo se vestia sem saber que no dia anterior havia cometido um erro que iria mudar sua vida.

Ainda na zona sul de São Paulo, outro homem também se arrumava com as esperanças e sonhos que todo ano novo traz. Ele estava prestes a cometer o maior erro de sua vida.

Perto dele, uma família tinha os mesmo sonhos e esperanças, que estavam para ser completamente destruídos.

Imagino que eles, assim como a maioria de nós, olhavam os relógios esperando a meia-noite enquanto celebravam e comiam com as pessoas amadas.

O primeiro homem não devia estar pensando nos vários bilhetes que preenchera na lotérica no dia 30. Ele não sabia que por engano lançara três bilhetes com números idênticos, repetindo a mesma aposta. Quando os fogos começaram a estourar  ele se abraçou à família, desejou coisas boas e imaginou que teria um ano melhor. Como todos nós fizemos.

A família que estava no quintal de casa também celebrava. Entre eles havia um menino de 5 anos. Emocionados, viam os fogos no céu. Eram lindos. Não parecia haver uma ameaça.

Perto dali, o segundo homem não tinha fogos para estourar. Tinha um revólver e decidiu usá-lo para dar tiros ao alto, fazer barulho, marcar a passagem do ano.

Uma das balas, conforme subia, ia perdendo velocidade. Deve ter atingido uns 750 metros de altura até descrever uma curva e começar a descer. Ninguém sabe das outras balas disparadas. Podem ter caído na rua, em árvores, telhados, mas aquela única bala tinha um destino certo.

Destino? Será isso mesmo? Alguns dirão que isso é coisa do universo aleatório, que foi puro acaso. Outros dirão que é coisa de Deus, do diabo. Borges diria que é a loteria da Babilônia.

O primeiro homem passou a noite de ano novo sem saber que preenchera três bilhetes com os mesmos números na Megasena da Virada. Enquanto o Brasil sonhava com a sorte impossível (uma chance em 50 milhões), ele estava prestes a ganhar três prêmios e tornar-se multimilionário (destino, universo, Deus?).

Já a bala que subira 750 metros, passou a descer numa aceleração de 10 metros por segundo ao quadrado, poderia ter atingido uma árvore, um carro estacionado, um telhado, mas acabou atingindo um menino de cinco anos. Aquele que estava com a família olhando os lindos fogos que anunciavam 2018 (18 é o número da vida para os judeus).

Nos primeiros dias do ano, enquanto a maioria das pessoas pensava em seus planos e esperanças, um homem se espantava com o erro que lhe deu três prêmios da megasena. Outro homem lamentava erro que o transformou num assassino,  levando-o para a cadeia. Já uma família teve o novo ano e todos os seguintes arruinados por uma bala que poderia ter caído em qualquer lugar, mas caiu num quintal onde uma criança de 5 anos se encantava com os fogos da meia noite.