Os dois tipos

Os dois tipos

Não existe a necessidade de acreditar-se na história do Almir, especialmente da maneira que o autor a coloca. Sabe-se que os autores são humanos e que em seu ponto de vista já há uma deturpação. Essa história, porém, dentro do possível, pode ser considerada real.

         Foi de uma hora para outra que Almir começou a classificar as pessoas. Todas deviam estar de um lado ou de outro de um Equador imaginário. Sei que é difícil entender assim, mas em exemplos veremos como funcionava sua cabeça.

         Para ele haviam os que lutavam até o fim e os fadados ao fracasso. Não havendo uma alternativa neutra. O avô Alberto era um lutador. O primo Cláudio um derrotado. Se contestavam seu raciocínio dizendo que alguém poderia não ser uma coisa nem outra ele replicava:

_ Você é que não sabe classificar.

         E não era apenas em relação a este critério. Para ele havia os que dormiam adequadamente e os que dormiam errado (e não me perguntem o que isto significa), os que cortavam o cabelo por vaidade e os que faziam por obrigação, os conscientes de seu papel no mundo e os alienados, e assim por diante.

         Não entendíamos da onde vinham os critérios de classificação e nem se havia relação entre eles. E ninguém sabe exatamente quando tudo começou mas de fato aquilo havia se tornado de tal forma uma obsessão para Almir que era difícil vê-lo falando de outra coisa.

Diante da televisão:

 _O Chico Pinheiro é do tipo que leva mais tempo escovando os dentes que se barbeando.

 _Mas quem é do outro tipo?

_O Márcio Canuto.

Em um jogo de futebol:

_ Existe o jogador que chuta bola com raiva e o que chuta com indiferença.

_E não há quem chute com gana?

_Nunca.

Sempre alguém retrucava o Almir. Nós, mais próximos, fazíamos por ironia, por irritação, por começarmos a nos preocupar com sua saúde mental. Outros faziam porque era divertido argumentar ouvir as explicações, ou simplesmente discutir por discutir. Ressalte-se aqui que Almir jamais aceitou a opinião alheia. – “Vocês ainda não entendem” – Dizia. 

Pode parecer engraçado, mas aquilo definitivamente havia se tornado um problema. Ele perdeu o emprego no departamento financeiro de uma multinacional e não conseguia outro, quando perguntávamos se foi bem numa entrevista em outra empresa ele respondia empolgado: – “Acho que sim, o entrevistador é do tipo que come o miolo do abacaxi”

Em relação às namoradas era ainda pior. Por mais que o assunto atraísse de certa forma as mulheres, não conseguia as entreter por muito tempo, para não dizer que se tornava maçante a ponto dele se tornar piada em círculos femininos. Aliás, fizemos vista grossa para não ver que ele já era motivo de piada em vários círculos.

Em casa, porém, ninguém via a menor graça. Mamãe rezava muito e meu pai fingia não se importar, sabíamos que por dentro era o que mais estava assustado. Tio Genésio quis levá-lo ao psiquiatra que tratou o filho de um amigo. Almir rejeitou a hipótese dizendo que havia pessoas que o amavam e pessoas que não o amavam, e que as que o amassem entenderiam que ele não precisava de médicos. Em casa, todos acreditavam que psiquiatra era médico de loucos e não quiseram insistir muito na idéia.

Com o tempo, a preocupação se tornou um fantasma que às vezes incomodava, às vezes passava desapercebido, mas estava sempre presente. Falava-se nele quase o tempo todo e mesmo quando o assunto era outro, parecia mais uma tentativa de evitá-lo. E assim foi-se vivendo.

E como a história acaba? Não acaba. Aceitamos Almir e suas manias e tentamos encontrar um pouco de alegria nas nossas vidas banais, não é assim que todos fazem? Afinal, há os que têm famílias simples e famílias complexas, os que têm irmãos diferentes e os que têm irmãos iguais, os que aceitam seu destino e seguem em frente e os que se deixam abater e, finalmente, os que classificam tudo em duas possibilidades e os que são obrigados a conviver com eles.

Amar é perigoso

Amar é perigoso

Amar é perigoso. Você duvida? Pois bem, então pense nesses caras:

Martin Luther King quis unir brancos e negros.

John Lennon cantou “All You Need is Love” e “Give Peace a Chance”.

Mahatma Gandhi pregou a resistência sem violência.

Yitzhak Rabin firmou tratados de paz entre israelenses e palestinos.

A freira Dorothy Stang defendeu a floresta.

Anwar Sadat fez a paz entre egípcios e israelenses.

Abraham Lincoln libertou os escravos nos EUA.

Todos defenderam o amor e a paz. Todos assassinados.

Teve mais um, o mais famoso, aquele rapaz de Nazaré cujo nascimento é comemorado na festa de Natal. Jesus, o filho de José, falou de amor, de perdão, defendeu uma adultera quando os cidadãos de bem queriam apedrejá-la e para completar brigou com aqueles que queriam transformar o Templo sagrado num lugar onde se ganha o dinheiro dos fiéis. Terminou executado com requintes de crueldade.

Pregar o amor é perigoso e talvez por isso, tão necessário.

O Grande Rabi Akiva dizia que todos os 613 mandamentos da Torá podem ser substituídos por apenas um: Ame ao próximo como a ti mesmo. Já o apóstolo Paulo escreveu que não adianta conhecer a língua dos homens e a dos anjos se não temos amor.

Aliás uma coincidência une Paulo e Akiva. Ambos foram presos pelos romanos e não se sabe com exatidão a causa de suas mortes. Pode ser que eles tenham sido executados, o que não me espantaria. Falaram demais no amor.

Se você ainda duvida deste risco, pense em quantos casais gays tem sido espancados simplesmente por andar de mãos dadas nas ruas. Ou nas mães que tem sido reprimidas por amamentar seus filhos em lugares públicos. Existe ato de amor mais lindo?

Por outro lado, faz muito sucesso quem usa a arma como símbolo, quem prega o ódio, a segregação e o fechamento de fronteiras, quem defende a supremacia de um povo sobre outro, quem defende a destruição da matas e a caça, quem usa a religião como forma de enriquecer. As pessoas do time do ódio conseguem tudo, até mesmo a presidência dos países.

Creio que cada um nós escolhe um time, as vezes fazemos isso sem perceber. Escrevo em pleno Natal, época propícia para este tipo de reflexão. Será que o amor vale o risco?

P.S. Esse deve ser o último texto do ano. Então boas festas e um lindo 2020 para todos vocês meus queridos leitores amigos.

Rock do Diabo

Rock do Diabo

O novo presidente da Funarte ficou famoso de uma hora para outra ao explicar que Rock era coisa de satanista, além de outras falas que fazem duvidar da sanidade do sujeito. Porém, enquanto todos gargalham nas redes sociais, eu sou obrigado a dar o braço a torcer. Ele tem certa dose de razão.

Ainda nos anos 20, o bluesman Robert Johnson compôs Crossroads, depois regravada pela banda Cream do Eric Clapton. Johnson é uma grande influência para o Rock. Crossroads falava de um bluesman (quem sabe o próprio Johnson) que fez um pacto com o Tinhoso numa encruzilhada. Depois disso, o blues evoluiu para o Rock e o Capeta nunca abandonou o estilo.

Já nos anos 60, os Stones gravariam Sympathy For The Devil. Na letra, Lúcifer contava sua história e desafiava o ouvinte ao ritmo de uma batida que lembra os terreiros de umbanda. Era uma música amaldiçoada. O estúdio pegou fogo na sessão de gravação e para piorar, muitos anos depois, Claudia Ohana fez a sua versão para a novela Vamp, assustando a todos.

Porém, somente quando o Heavy Metal surgiu que o Coisa Ruim dominou de vez. The Number of The Beast do Iron Maiden ou NIB do Black Sabbath são odes demoníacas. O satanismo se espalhou pelas capas dos discos de Metal e o estilo ficou cada vez mais pesado e popular, dominando principalmente o norte da Europa.

No Brasil o Capiroto sempre esteve na cabeça de roqueiros. Desde Roberto Carlos que mandou tudo para o Inferno e depois se negou a cantar a canção até Raul Seixas que matou a charada e foi o primeiro a explicar o motivo do Chifrudo estar associado ao ritmo. Afinal, o Diabo é o pai do Rock. Enquanto Freud explica, o Diabo dá os toques.

A Reforma

A Reforma

A reforma é simples: troca de azulejos dos banheiros e cozinha, troca de parte do encanamento que é antigo, aumento no número de tomadas, troca dos boxes e pintura geral. Sinteco.

Dia 1 – Chamo todos os especialistas (pedreiro, pintor, encanador, etc) e estabelecemos juntos um cronograma. Assim, o trabalho de um não vai atrapalhar o do outro e todos me passam a lista de materiais. A obra deve durar 45 dias.

Dia 3 – Já com todo o material comprado o encanador começa a quebrar as paredes dos banheiros.

Dia 5 – O encanador avisa que faltaram 2 conexões.

Dia 6 – Vou a obra levar as conexões às 7h da manhã. O encanador não aparece. Eu liguei 6 vezes até encontrá-lo. Ele disse não dava para trabalhar sem o material. Eu disse que o material estava comprado. Ele perguntou se eu também havia comprado o sifão.

Dia 7 – O eletricista começa a quebrar as paredes, mas o trabalho do encanador está atrasado.

Dia 9 – O eletricista avisa que comprei cabos de 4mm e ele precisava de 6mm. O encanador está com o trabalho quase pronto, mas não aparece há dois dias.

Dia 11 – Termina o trabalho do encanador.

Dia 14 – O eletricista, ao furar a parede do banheiro para passar um fio estoura um cano. Chamo o encanador desesperado. Ele está em outra obra. Fecho o registro.

Dia 18 – O encanador só aparece dias depois e precisa quebrar a parede para arrumar o cano estourado. Chamamos o pedreiro que só chega no dia 20. O eletricista está atrasado porque a pequena inundação prejudicou algumas instalações elétricas.

Dia 21 – O encanador começa a trocar o cano estourado e me liga pedindo mais dois cotovelos.

Dia 22 – Chego na obra com os dois cotovelos, mas o encanador não aparece. Por telefone ele pergunta se comprei o novo registro. No mesmo dia o eletricista me informa que o quadro não está bom e é preciso trocá-lo. A planilha de gastos sobe de maneira infernal.

Dia 26 – O encanador reaparece. O eletricista descobre que a casa não tem fio terra. O pedreiro me pressiona pois precisa iniciar a troca dos azulejos, minha obra está atrapalhando a agenda dele.

Dia 30 – Aparentemente elétrica e hidráulica estão resolvidas. Uma van do depósito chega com o material do pedreiro, mas o pedreiro não podia esperar e está em outra obra.

Dia 33 – O pedreiro começa seu trabalho. Precisa quebrar os azulejos do banheiro. Ao fazer isso estoura um cano dos que eu não havia trocado. O encanador está cansado das minhas reclamações e não quer vir. O Pedreiro indica seu cunhado.

Dia 36 – O cunhado do pedreiro finalmente aparece e mostra que os canos do banheiro que não foram trocados estão todos em estado deplorável. Acusa o encanador anterior de fazer um péssimo serviço e sugere corrigir os defeitos deixados pelo antecessor.

Dia 37 – Não consigo falar com o primeiro encanador.

Dia 42 – Depois de dias sem conseguir falar com o primeiro encanador aceito a proposta do cunhado do pedreiro.

Dia 45 – Recomeça a troca de canos.

Dia 47 – O novo encanador precisa parar a obra pois faltam dois cotovelos.

Dia 51 – A obra hidráulica está quase pronta, mas os canos devem passar bem por onde estava parte da nova fiação. Preciso chamar o eletricista, mas este está no Paraná, trocando a cabeação de uma fazenda. O Encanador me indica seu primo.

Dia 56 – O Pedreiro falece devido a um problema renal, ele nem havia começado a sua parte. O encanador, cunhado do defunto precisa ir ao enterro em Botucatu. O eletricista também vai.

Dia 63 – Depois de dois meses morando na casa da sogra, meus filhos estão estressados. Meu sogro não disfarça mais que nossas presenças incomodam e minha mulher começa a me tratar mal.

Dia 75 – A obra está praticamente recomeçando e já gastei 140% do que havia previsto.

Dia 91 – Já não sei mais quem é o eletricista, quem é o encanador e quem é o pedreiro, os problemas não param de chegar e ainda faltam 2 cotovelos.

Dia 95 – Minha mulher não fala mais comigo, estou devendo no banco. Ouvi meu sogro reclamar com a empregada que não tem que sustentar marmanjo.

Dia 105 – O Pedreiro terminou a parte dele. Diz que está muito confiante com a hidráulica, pergunta se pode me apresentar um primo encanador.

Dia 116 – O Instalador do box avisa que as medidas estão erradas, precisa rever o orçamento.

Dia 141 – Estou morando num hotel. Minha mulher mora com as crianças no meu sogro e ninguém fala mais comigo. Não atendo aos telefonemas do gerente do banco. Tive um ataque de nervos no trabalho. Estou pensando em comprar uma arma.

Dia 157 – O encanador me liga, faltam dois cotovelos.   

O Tempo do Amor

O Tempo do Amor

Quando minha filha tinha 5 ou 6 anos levei-a a uma reza em memória de uma tia recém falecida. Para distraí-la, uma prima deu-lhe papel e lápis. Quando saímos da reza, minha filha mostrou o que fizera.

A obra era o desenho de uma ampulheta em forma de dois corações, não toda bonita como essa da ilustração, mas num traço bem infantil. Logo abaixo, ela escreveu a frase.

Rápido, o tempo do amor está correndo.

Provavelmente o ambiente triste serviu de inspiração. Minha filha não tinha passado perto de experiências de morte até então. Eu perguntei sobre as suas motivações, mas ela se recusou a falar.

Creio que ao ver as pessoas se lembrando e ao sentir o clima de despedida, ela intuiu a finitude da vida. O tempo nos faz órfãos, o tempo corre indiferente aos nossos desejos e frustrações.

O pai babão fez o que qualquer pai babão faria: Enquadrei a obra e a pendurei na parede.

Acontece que agora, passados alguns anos, reparei neste quadro e para minha surpresa, o desenho e o texto se apagaram. Na parede havia uma folha em branco, mas no vazio pude ler uma mensagem subliminar.

Rápido, o tempo do amor está correndo.

Novamente e de uma forma inesperada o destino deu seu recado. Nada é perene. Nem os recados. O tempo do amor é finito como somos nós e por isso ele é tão importante. Não podemos parar a areia que cai da ampulheta, mas podemos usar o tempo da melhor forma possível. Quem está ao nosso lado hoje pode não estar na semana que vem e isso não é uma revelação incrível, é a maior das obviedades. Até uma criança de 5 ou 6 anos sabe.

Velhice

Velhice

Contribuição do amigo Eduardo Tironi

Acordou pela manhã e, como primeiro ato, deu aquela passeada no Instagram pra ver as novidades. Viu uma, outra, outra e outra fotos de amigos e parentes mais velhos do que são. Demorou um pouco pra descobrir que tratava-se do aplicativo da moda. Você tira uma foto e ele te mostra como você poderá ser com mais 20 anos, mais 30, mais 40… a gosto do freguês.

Começou a se divertir. Olhou uma ex-namorada velha e comemorou ter terminado a relação dizendo que “o problema não é você, sou eu”. Olhou o amigo de infância com um jeito de avô.

Riu com piadas que relacionavam velhice ao futebol. Foto do craque do time rival todo enrugado com a legenda: “Fulano esperando o título mundial do Palmeiras”. Sicrano quando o São Paulo voltar a ganhar um clássico” “Beltrano quando o Corinthians terminar de pagar o estádio”…

Baixou o aplicativo, tirou uma foto e também projetou sua velhice para o mundo ver. Ficou ansioso pela repercussão.

Mas ele tinha de trabalhar. Pulou da cama e sentiu aquela dor incômoda de sempre no joelho. Tomou banho e, como todo dia, viu uns cabelos no ralo do chuveiro. Nem ligou.

Tomou café e evitou leite e muita manteiga porque vem sentindo uma azia logo depois que come alguma coisa. Está achando que pode ser intolerância à lactose.

Entrou no carro, ligou o rádio e passou os dez primeiros minutos do trajeto ouvindo músicas que nunca tinha ouvido antes. Sintonizou na Antena 1, que ali sim toca músicas boas.

A cada parada no farol, olhava o instagram para ver a repercussão de sua foto como velho. Coraçõezinhos, risadas, emojis de espanto… Numa das paradas reparou pela primeira vez que não vai ser um velho bonito.

Ao contrário: nariz caído, olhos tristes, cabelo ralo…

No meio da tarde sentiu uma fisgada nas costas que o incomoda há tempos. “Essa cadeira do escritório tá ruim, preciso trocar.”

Pouco depois, recebeu notificação no celular. Saiu o resultado do exame de sangue. O colesterol está alto. Tem de voltar ao médico.

Checou de novo a repercussão dele velho no Instagram. Muita gente comentou, legal! Olhou as fotos de outros amigos e amigas velhos tbem.

Se espantou com alguns tamanha a perfeição das montagens.

Terminou o dia saindo mais tarde do que tinha planejado. Muita coisa pendente no escritório e ele não conseguiu fazer metade do que tinha planejado. Sentiu dor de cabeça por isso desistiu de voltar à academia. Segue pagando o plano semestral, mas há cinco meses não vai porque anda sem tempo.

O tempo anda passando muito rápido, ele pensou ao chegar em casa. Já estamos no meio de agosto!

Abriu a geladeira, pegou o que tinha, pôs no micro-ondas e empurrou pra dentro. Entrou no  banho, saiu do banho, vestiu o calção do pijama e foi escovar os dentes. Se olhou no espelho e por um momento pareceu que olhava o Instagram. Voltou à realidade. Deitou, olhou sua foto de velho novamente. Pulou da cama, foi pro banheiro correndo e se olhou no espelho mais uma vez. Voltou pra cama ofegante. Apagou.

Eu, o abduzido

Eu, o abduzido

O leitor mais fiel deve ter percebido que escrevi pouco nos últimos tempos. Perdoem minha ausência. Ultimamente tive uns probleminhas meio diferentes que acabaram me afastando do blog. O maior deles talvez tenha sido a abdução que sofri há cerca de um mês.

Se você acha que só Raul Seixas e Zé Ramalho são bons o suficiente para serem abduzidos, então aperte os cintos, leia esse relato e verá que há mais coisas entre o céu e a terra do que acreditava o Maluco Beleza.

Não sei como fui para parar na Nave. Eu estava apagado no momento da abdução. Quando acordei, me vi em um leito numa sala escura, senti um tubo enfiado na minha garganta e meus pés e mãos estavam amarrados. Eu tentei gritar, mas não consegui. O tubo não deixava. Como estava preso, usei os dedos para fazer algum barulho até que um dos tripulantes veio me acudir, porém não consigo lembrar direito dos primeiros momentos já que ainda estava sob efeito de drogas.

Só pude entender o desenho da nave no dia seguinte quando acordei. Era uma sala circular. No meio havia uma central de comando onde os alienígenas podiam observar todos os abduzidos. Nós ficávamos deitados em leitos que davam a volta na sala. Havia divisórias de forma que eu não conseguia ver os outros humanos, a não ser quando eles estavam sendo transportados.

Minha condição não era das melhores. Eu tinha um acesso no braço e um cateter no pescoço por onde os aliens injetavam químicas variadas. Uma máscara me ajudava a respirar. Do centro da minha barriga saíam dois fios de chuveiro que se ligavam a uma espécie de bateria de carro e isso determinava as batidas do meu coração, uma engenhoca digna do primeiro filme do Homem de Ferro. Finalmente (e conto isso com tremenda vergonha), havia um cano no meu pinto para escoar o xixi.

Basicamente, eu não podia me mexer devido aos canos e fios ligando o meu corpo aos mecanismos que me mantinham vivo.

Lendo o texto dá a impressão que os et´s eram maus. Longe disso. O objetivo deles era me manter e manter os outros humanos vivos. No meu caso eles conseguiram.

Havia algumas refeições por dia que eu não conseguia comer. Havia também um banho diário, em que dois aliens me lavavam, trocavam meus lençóis e meu jaleco sem que eu precisasse sair da cama.

Uma vez por dia, eu recebia visitas na nave. Duas pessoas da minha família podiam entrar e ficar uma hora ao meu lado. Basicamente eu sonhava com esse momento durante as outras 23 horas do dia.

A vida na nave era um exercício de superação mental. Eu sabia que voltaria para a Terra, que a tortura iria terminar. Porém o tempo passava muito devagar e eu precisava lutar contra o tédio e contra o terrível desconforto que sentia. Tentei chorar algumas vezes para ver se o choro me acalmava, mas o resultado era nulo. O tempo não passava.

Depois de 5 longos dias fui devolvido ao Planeta Terra e descobri que gosto demais do nosso mundinho. Gosto de me mexer livremente e de sentir o corpo sem canos e agulhas. Aprendi muitas coisas na nave, a mais importante delas é que uma hora por dia é pouco para desfrutar a companhia das pessoas que amamos. Sei que parece uma obviedade, mas às vezes só vemos o óbvio quando nos distanciamos. E creia meu amigo, a nave no meio do espaço é distante o suficiente para nos ensinar muito.