Marli ´n Kedin

Captura de Tela 2017-03-15 às 18.36.36.png

Marli estava ansiosa, precisava chegar em casa a tempo de ver Camila acordada. A menina, em fase de tirar as fraldas, não via a mãe todas as noites.

Era comum Marli ficar até mais tarde no banco. Verificava planilhas, refazia cálculos. Quando tinha uma apresentação importante passava horas revendo o Power Point e treinando suas falas.

Miguel, o marido, estava acostumado. Dono de uma loja de pneus, sofreu um pouco no começo com as ausências da esposa. Depois, porém, passou a se acostumar com o conforto material que os bônus de Marli proporcionavam.

A primeira vez que o bônus superou os cem mil reais foi comemorada em Paris, na segunda vez, Marli já estava grávida.

Camila crescia menos rápido do que a fama da mãe no banco. Impiedosa com a equipe e obcecada por detalhes, Marli brilhou em todos os projetos que se envolveu.

Ao chegar em casa naquela noite, deu com Miguel saindo do quarto de Camila. A menina acabara de dormir. Ele fez sinal de silêncio com o dedo indicador em frente aos lábios e a chamou para comer algo. Ela o beijou na bochecha e disse que precisava trabalhar um pouco. Pegou um pacote de Pringles e abriu o notebook.

Ele, cansado de esperar por companhia, ficou em pé ao lado observando-a entrar no LinkedIn.

_ Faz duas semanas  que você faz isso toda a noite.

_ É importante. Preciso saber o que está acontecendo no mundo. No banco eu não tenho tempo para nada.

_ O LinkedIn não é o mundo – Retrucou Miguel contrariado.

_ O mundo é o que você vai conhecer se eu não perder o foco.

Miguel saiu de mansinho, pegou outro pacote de Pringles e foi ver futebol na TV.

A biblioteca que se incendeia

incendio biblioteca.png

Semana passada fui ao enterro de uma senhora que morreu aos 100 anos.

Pensei nas infinitas histórias que morriam com ela. Nas lembranças da infância na Alemanha em crise, na viagem de navio que a trouxe ao Brasil, no quanto deve ter sido estranho trocar a Europa por um país distante, tão diferente. Pensei nas histórias que ouviu de seus pais, de seus avós, histórias passadas no século XIX. Com certeza daria para escrever um livro, ou mais que um livro.

Diz um ditado que cada velho que morre é uma biblioteca que se incendeia.

Nas últimos meses tive a sorte de ouvir muitas histórias de pessoas com mais de 80 anos. Retratos do passado.

Ouvi histórias de como um viaduto de Santo André tem o nome de um pedreiro competente ou de como um médico presenteou seu paciente com um pato (e isso era normal na época). Histórias de como minha avó comprava carpas e as mantinha vivas em sua banheira antes de prepará-las. Histórias de um rico fazendeiro em Minas que levava uma marmita dupla para o trabalho pois se sentia na obrigação de dividir a refeição com quem necessitasse. Histórias do meu tio avô que foi soldado em Israel e participou de terríveis batalhas no começo dos anos 50.

Conversei com uma senhora com Mal de Alzheimer que perdeu a memória recente e consegue se agarrar a lembranças dos anos 30 e 40, como se estas lembranças fossem suas únicas conexões com o mundo. Com certeza ela já se esqueceu de mim, mas ainda se recorda de como subia nos sacos empilhados no armazém do pai.

Enquanto caminhava no cemitério, cruzando o mar de de granito, eu lia os anos de nascimento nas lápides: 1919, 1922, 1913, 1931. Fazia um estranho frio para a época do ano e a garoa começava a nos gelar. Eu porém, sentia calor, um calor vindo do imenso incêndio, de milhares de bibliotecas, de milhões de livros. Havia reflexo das chamas, havia brasas brilhando em cada túmulo.

E Se

luto.png

E se o avião tivesse atrasado

E se o aeroporto tivesse sido interditado

E se o táxi não chegasse a tempo

E se o passaporte estivesse na gaveta

E se houvesse um overbooking, um desmaio, uma fratura

E se o semáforo estivesse fechado

E se o caminho fosse outro

E se o destino fosse outro

E se a gente tivesse dado bola para aquela dorzinha, aquela queimação

E se a gente tivesse ido antes ao hospital

E se o médico descobrisse a tempo

E se naquele dia, naquele fatídico dia, alguém mudasse os planos

E se a onda não se levantasse

E se a terra não tremesse

E se o ladrão não atirasse

E se a bala parasse no osso

E se fosse só um susto

E se fosse um milagre

E se o universo fizesse sentido

E se mundo fosse justo

E se os pais nunca tivessem de enterrar os filhos

E se não precisássemos nunca mais chorar

E se isso jamais, jamais tivesse acontecido

Mas aconteceu

Aconteceu

Aconteceu

 

 

A super lua

super lua.jpegCaro leitor, pode parecer que estou aqui para contar vantagem, mas preciso dizer que escrevo diretamente da Bahia, sob a luz da lua mais brilhante dos últimos 60 anos.

A visão do mar de Arembepe iluminado num tom entre o prateado e o dourado jamais será esquecida. Só não mando fotos porque meu celular não registra essa maravilha de maneira minimamente aceitável.

Como posso descrever melhor o que vejo? Bom, talvez dizendo que  a luz da lua é tão forte que estou pensando em passar protetor solar, colocar os óculos escuros e pegar uma cor.

Sinto-me um privilegiado. Planejei essa viagem para aproveitar  o feriado e não sabia que a astronomia me reservaria uma visão dessas. Morando em São Paulo, sempre perdi os grandes eventos cósmicos. Eclipses e meteoros não conseguem competir com a poluição e o céu nublado da metrópole.

Morar na grande cidade nos condena a admirar a arquitetura de restaurantes, a beleza de exposições de arte, os jardins dos parques. Nos encantamos com o que nos é permitido ver.

Aqui em Arembepe as pessoas não tem opções de restaurantes e ainda menos obras arquitetônicas admiráveis (muito pelo contrário). Elas não vão à Mostra de Cinema, não comentam a exposição da vez e nem o carro da moda. Aqui o quente é comer o acarajé da Catita e tomar cerveja em cima do capô do carro.

Em Arembepe falta muita coisa.

Por outro lado, em Arembepe sobra a lua, a super lua. E o mar que brilha de noite como se estivéssemos em um filme de Fellini.

 

 

 

 

Ligando na VIVO #1

atendente de telemarketing.png
Foto fidedigna de uma central de telemarketing

Acho muito curiosa a forma com que o serviço de atendimento da Vivo funciona e decidi descrever as interessantes ligações que faço para eles.

10h20 – Ligo no 10315, passo 4 minutos navegando por várias opções de caminhos e sou atendido. A atendente Mariana me diz que para pessoas jurídicas devo ligar no 0800-6025488. Eu argumento que sempre uso  10315 para tratar de PJ mas a moça não se convence. Fim da tentativa um.

10h28 – Ligo no 0800-6025488 – Não consigo encontrar meu problema no menu de navegação. Levo 5 passando em vários menus e a linha cai. Fim da tentativa 2.

10h34 – Ligo no 0800-6025488 de novo – Digito de novo o telefone e o CNPJ. Ignoro de novo o número do protocolo. Falo com a Sara que me informa que apesar de  usar o 0800 (para Vivo empresas) a ligação chegou num atendente especializada em linhas GVT para pessoa física?!?!?!!? Sara foi bem específica, dizendo que foi um erro de URA. Ela transfere a ligação para uma moça chamada Tainá que me atende bem e agora, as 11h11 estou finalizando meu pedido.

Hoje foi bem fácil.

 

Uma passadinha no dermatologista

Captura de Tela 2016-10-18 às 08.34.12.png
Minha dose matinal

Dei uma passadinha dermatologista um tanto incomodado com umas manchinhas no braço. Dizem que devemos tomar cuidado com manchas disformes.

“Nada demais”- apontou o doutor – “Sua pele é muito clara, use protetor 50 diariamente”.

Passados uns meses andava meio deprimido e decidi ir ao psiquiatra que constatou falta de vitamina D.

“Vitamina D é um antidepressivo natural. Você devia tomar mais sol, tome essas cápsulas e ficará tudo bem”

Só que as capsulas aumentaram minha pressão. Nada que um bom cardiologista não resolva.

“Você toma duas doses por dia deste remédio, sempre após as refeições, porque ele é um pouco agressivo com a mucosa do estômago”.

Em três meses eu estava no gastro com um princípio de úlcera. Saí de lá com com sérias restrições alimentares e dois medicamentos em doses de oito horas. Um deles mexeu com a minha circulação, passei a usar diariamente meias de pressão e tomar umas gotas. O outro remédio alterou minha dose de testosterona e comecei a ter problemas de ereção.

O urologista me recomendou um antidepressivo para melhorar meu desempenho sexual, o que me deixou confuso e me levou de volta ao psiquiatra que aumentou a dose da vitamina D e sugeriu pílulas para dormir. Coisa difícil de fazer já que tenho remédios para tomar a cada duas horas na madrugada.

Foi então que começaram as arritmias, meu cardiologista incluiu Ritmonorm 300g no meu receituário e sugeriu que eu consultasse um endocrinologista,  parecia que meus hormônios estavam fora de lugar.

Passados 8 meses e 7 consultas em especialistas diferentes consegui acertar a minha dose de remédios. Tomo 24 pílulas diárias, uso as meias de pressão e coloquei um aparelho nos dentes para evitar o bruxismo. Tenho poucos efeitos colaterais, apenas uma sudorese constante, tonturas, queda de cabelos, vômitos ocasionais e incontinência urinária, que é a parte mais assustadora já que meu xixi às vezes sai verde, outras vezes sai roxo.

Pelo menos a minha pele está uma beleza, nenhuma manchinha.

 

O dinossauro peludo

homens que depilam.png

Ah, os dinossauros.

Magníficas e gigantescas criaturas sem pelos que dominaram a Terra por milhões de anos. Imagino-as no auge de seu reinado. Devorando inabaláveis quem ousasse cruzar seu caminho.

Porém, enquanto reinavam, surgiram minúsculas e peludas criaturas conhecidas como mamíferos.  Pareciam insignificantes até o dia em que um meteoro e a evolução natural começaram a agir.

De repente, os grandalhões pelados não eram mais hábeis para sobreviver e desapareceram para dar lugar a gorilas, ursos, tamanduás, cavalos, homo sapiens e hienas. Os mamíferos e suas cabeleiras mandavam no planeta enquanto os repteis se arrastavam em submissão.

Sou um representante dos vencedores, um mamífero peludo como os lobos e os leões. Ou pelo menos pensava assim até outro dia.

Tudo começou com um amigo, daqueles que, como eu, lembram com saudades do aniversário de 40 anos. Ele voltou do jogo de futebol da firma numa mistura de desespero e depressão.

“Todos se depilam. Pernas, peitos, costas. Estão todos depilados”

“Todos quem?”

“Os jovens. Todos do time tem menos de 30. Estão todos depilados”.

E foi assim que eu soube. Homens se depilam, passam cera quente, desmatam os pelos pubianos, ficam lisos como uma cobra, como uma bola de boliche. São os mesmos homens que caçam pokemons, que discutem algoritmos, que usam o Snapchat, votam no Haddad, andam de bicicleta, mandam nudes, comem em food trucks, fazem tatuagens, assistem vlogs, usam alargadores de orelha.

Eu não pertenço a esse mundo, fui superado pelos homens pelados assim como os dinossauros sucumbiram diante dos peludos mamíferos.

Sou o que há de pior nos dois mundos, o dinossauro peludo. E pela cor acinzentada de minha pelagem vejo que a extinção está próxima. No céu, implacável, está um meteoro na forma de um depilador Philips, pronto para detonar a Terra. E se sobrar algo, ainda virão os vulcões, vulcões de cera quente.