Simpathy for William Waack

william-waack

Sou um sujeito estranho se comparado à maioria.

Sinto muitas vezes um negócio chamado empatia*.

Mesmo por aquelas pessoas que todo mundo odeia, ou que tem baixíssima popularidade, eu acabo tendo empatia.

O William Waack é uma delas, mas não a única.

Tenho empatia pela Katia Abreu, pelo Renan Calheiros, pelo Sarney, pelo Serra, pelo Zé Dirceu, pela Dilma, pelo Genoíno, pelo Ciro, pelo FHC, pelo Boulos, pelo Maluf, pelo Caiado…

Pode parecer incoerente, mas consigo ter empatia pelo Lula e pelo Temer ao mesmo tempo.

Acho que enquanto o mundo os vê como bandidos, eu os enxergo como meramente humanos. Donos de fraquezas (inclusive morais) que todos nós somos sujeitos a ter. Cada um deles com a ilusão de ser único e especial, cada um com  a ideia infantil de que deixamos uma marca positiva por onde passamos.

Isso não significa que concordo com seus erros ou crimes. Apenas não faço questão de me juntar à manada que com raiva julga e condena, que atira pedras e memes a esmo.

Também não pensem que sou santo. Há um grupo de humanos com quem não consigo solidarizar. Um grupo cuja forma de agir é imperdoável. São os profetas do ódio. Aqueles cujo discurso é repleto de dentes serrados e caixas altas. Os que agridem e criam as hashtags maldosas. Prefiro não citar seus nomes, mas vou citar assim mesmo: Alexandre Frota, Kataguri, Constantino e os reis de todos eles: Bolsonaro e Olavo de Carvalho, o pregador-mor do ódio.

Eu preciso me policiar para não ter raiva deles e  acabar ficando parecido com essa turma.

Opa, já ia me esquecendo do Waack.

Esse é outro ser humano com fraquezas e virtudes. É racista? O vídeo não me permite saber. Fez um comentário horrivelmente racista? Fez. Preciso atacá-lo louca e furiosamente? Acho que não.

Sinto pena dele, mais um humano tão parecido com todos os outros.

Vou pegar emprestada a frase do Papa Francisco – “Quem sou eu para julgá-lo?”

Quando ouço alguém chamando os outros de “essa gente”, penso com meus botões: “Essa gente somos todos nós”.

*Empatia significa a capacidade psicológicapara sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.

 

Anúncios

Férias na Bahia

Férias na Bahia

Férias causam um impacto na gente. Especialmente quando são férias na Bahia. Na volta comecei a comparar os dias de ócio com a vida normal. Deu nisso:

Férias x Vida normal

Terra x Asfalto

Praia x Escritório

Quadriciclo x Metrô

Bar congestionado x Avenida Rebouças

Off para dormir x Frontal para dormir

Azeite de dendê x Azeite de Oliva

Transpirar assim que sair do banho x Ar condicionado do carro

Restaurante pé sujo delícia x Pagar uma fortuna por um espaguetti ao sugo

“Meu Rei”  x “CPF na nota?”

Pôr do Sol x Stranger Things 2

Santo André em Cabrália x Santo André no ABC

Baseado no Mirante x Marlboro no fumódromo da balada*

Havaianas x  Sapatênis

Ivete Sangalo x Coldplay

Kalango x Barata

Menos é mais x Mais é menos**

Rede no terraço x Rede Social

Relaxar na  praia x Relaxar escrevendo no blog

 

Se você acha que tem outras diferenças, me mande que eu coloco e dou crédito. 

*Sugestão de Marcelo B.

** Sugestão de Glauco Araújo

 

 

Adeus Harry Potter. Muito obrigado!

Terminei o segundo livro do Harry Potter, A Câmara Secreta. Sei que não parece algo extraordário, a maioria das pessoas fez isso há muito tempo. Porém, esse foi um fato marcante para mim.

Até uns 4 ou 5 anos atrás eu inventava histórias diariamente para minha filha dormir. Era um desafio, ela era exigente. Eu espremia a cachola para botar ideias para fora.

Um dia, para facilitar a minha vida e porque ela já estava ficando grandinha, comecei a ler o primeiro Harry Potter. Minha filha dorme em casa de 4 a 6 dias por mês e muitas vezes ela está cansada e pega no sono logo que deita. Assim, eu levei anos para ler dois livros da saga e terminei neste final de semana.

Foram inúmeras noites repetindo o ritual e me embrenhando nas aventuras do bruxinho enquanto via minha filha crescer. No fim, ela já estava com 11 anos. Não é idade para ouvir histórias na cama, mas decidimos juntos ir até o fim deste e encerrar essa etapa da nossa relação.

Ao ler a última página percebi que virava também uma página da minha vida. Que abandonaria esse hábito como já abandonei muitas coisas que amava fazer.

– Nunca mais troquei uma fralda sem me me importar com o cheiro azedo.

– Nunca mais peguei minha filha no colo e a senti leve como um esquilo e nunca mais senti medo de tocar na moleira macia.

– Voltando ainda mais no tempo, nunca mais joguei futebol com os amigos num certo campo em São Bernardo que era nada e tudo ao mesmo tempo.

– Nunca mais sentei num banco de colégio acreditando que o futuro estava a minha frente e que eu poderia ser tudo o que quisesse.

– Nunca mais beijei meu avô.

Agora é a vez de, nessa eterna sucessão de abandonos, deixar para trás Hogwarts e as vozes que inventei para cada personagem. Minha filha vai terminar a saga lendo em silêncio como é mais adequado para sua idade.

Adeus Harry Porter, obrigado por estar ao meu lado nestas noites tão felizes.  Só espero que a voz que criei para você sobreviva na cabeça da Esther e que ela ressoe ainda que em pensamento, nos feitiços e magias da adolescência.

Marli ´n Kedin

Captura de Tela 2017-03-15 às 18.36.36.png

Marli estava ansiosa, precisava chegar em casa a tempo de ver Camila acordada. A menina, em fase de tirar as fraldas, não via a mãe todas as noites.

Era comum Marli ficar até mais tarde no banco. Verificava planilhas, refazia cálculos. Quando tinha uma apresentação importante passava horas revendo o Power Point e treinando suas falas.

Miguel, o marido, estava acostumado. Dono de uma loja de pneus, sofreu um pouco no começo com as ausências da esposa. Depois, porém, passou a se acostumar com o conforto material que os bônus de Marli proporcionavam.

A primeira vez que o bônus superou os cem mil reais foi comemorada em Paris, na segunda vez, Marli já estava grávida.

Camila crescia menos rápido do que a fama da mãe no banco. Impiedosa com a equipe e obcecada por detalhes, Marli brilhou em todos os projetos que se envolveu.

Ao chegar em casa naquela noite, deu com Miguel saindo do quarto de Camila. A menina acabara de dormir. Ele fez sinal de silêncio com o dedo indicador em frente aos lábios e a chamou para comer algo. Ela o beijou na bochecha e disse que precisava trabalhar um pouco. Pegou um pacote de Pringles e abriu o notebook.

Ele, cansado de esperar por companhia, ficou em pé ao lado observando-a entrar no LinkedIn.

_ Faz duas semanas  que você faz isso toda a noite.

_ É importante. Preciso saber o que está acontecendo no mundo. No banco eu não tenho tempo para nada.

_ O LinkedIn não é o mundo – Retrucou Miguel contrariado.

_ O mundo é o que você vai conhecer se eu não perder o foco.

Miguel saiu de mansinho, pegou outro pacote de Pringles e foi ver futebol na TV.

A biblioteca que se incendeia

incendio biblioteca.png

Semana passada fui ao enterro de uma senhora que morreu aos 100 anos.

Pensei nas infinitas histórias que morriam com ela. Nas lembranças da infância na Alemanha em crise, na viagem de navio que a trouxe ao Brasil, no quanto deve ter sido estranho trocar a Europa por um país distante, tão diferente. Pensei nas histórias que ouviu de seus pais, de seus avós, histórias passadas no século XIX. Com certeza daria para escrever um livro, ou mais que um livro.

Diz um ditado que cada velho que morre é uma biblioteca que se incendeia.

Nas últimos meses tive a sorte de ouvir muitas histórias de pessoas com mais de 80 anos. Retratos do passado.

Ouvi histórias de como um viaduto de Santo André tem o nome de um pedreiro competente ou de como um médico presenteou seu paciente com um pato (e isso era normal na época). Histórias de como minha avó comprava carpas e as mantinha vivas em sua banheira antes de prepará-las. Histórias de um rico fazendeiro em Minas que levava uma marmita dupla para o trabalho pois se sentia na obrigação de dividir a refeição com quem necessitasse. Histórias do meu tio avô que foi soldado em Israel e participou de terríveis batalhas no começo dos anos 50.

Conversei com uma senhora com Mal de Alzheimer que perdeu a memória recente e consegue se agarrar a lembranças dos anos 30 e 40, como se estas lembranças fossem suas únicas conexões com o mundo. Com certeza ela já se esqueceu de mim, mas ainda se recorda de como subia nos sacos empilhados no armazém do pai.

Enquanto caminhava no cemitério, cruzando o mar de de granito, eu lia os anos de nascimento nas lápides: 1919, 1922, 1913, 1931. Fazia um estranho frio para a época do ano e a garoa começava a nos gelar. Eu porém, sentia calor, um calor vindo do imenso incêndio, de milhares de bibliotecas, de milhões de livros. Havia reflexo das chamas, havia brasas brilhando em cada túmulo.

E Se

luto.png

E se o avião tivesse atrasado

E se o aeroporto tivesse sido interditado

E se o táxi não chegasse a tempo

E se o passaporte estivesse na gaveta

E se houvesse um overbooking, um desmaio, uma fratura

E se o semáforo estivesse fechado

E se o caminho fosse outro

E se o destino fosse outro

E se a gente tivesse dado bola para aquela dorzinha, aquela queimação

E se a gente tivesse ido antes ao hospital

E se o médico descobrisse a tempo

E se naquele dia, naquele fatídico dia, alguém mudasse os planos

E se a onda não se levantasse

E se a terra não tremesse

E se o ladrão não atirasse

E se a bala parasse no osso

E se fosse só um susto

E se fosse um milagre

E se o universo fizesse sentido

E se mundo fosse justo

E se os pais nunca tivessem de enterrar os filhos

E se não precisássemos nunca mais chorar

E se isso jamais, jamais tivesse acontecido

Mas aconteceu

Aconteceu

Aconteceu

 

 

A super lua

super lua.jpegCaro leitor, pode parecer que estou aqui para contar vantagem, mas preciso dizer que escrevo diretamente da Bahia, sob a luz da lua mais brilhante dos últimos 60 anos.

A visão do mar de Arembepe iluminado num tom entre o prateado e o dourado jamais será esquecida. Só não mando fotos porque meu celular não registra essa maravilha de maneira minimamente aceitável.

Como posso descrever melhor o que vejo? Bom, talvez dizendo que  a luz da lua é tão forte que estou pensando em passar protetor solar, colocar os óculos escuros e pegar uma cor.

Sinto-me um privilegiado. Planejei essa viagem para aproveitar  o feriado e não sabia que a astronomia me reservaria uma visão dessas. Morando em São Paulo, sempre perdi os grandes eventos cósmicos. Eclipses e meteoros não conseguem competir com a poluição e o céu nublado da metrópole.

Morar na grande cidade nos condena a admirar a arquitetura de restaurantes, a beleza de exposições de arte, os jardins dos parques. Nos encantamos com o que nos é permitido ver.

Aqui em Arembepe as pessoas não tem opções de restaurantes e ainda menos obras arquitetônicas admiráveis (muito pelo contrário). Elas não vão à Mostra de Cinema, não comentam a exposição da vez e nem o carro da moda. Aqui o quente é comer o acarajé da Catita e tomar cerveja em cima do capô do carro.

Em Arembepe falta muita coisa.

Por outro lado, em Arembepe sobra a lua, a super lua. E o mar que brilha de noite como se estivéssemos em um filme de Fellini.