A Bíblia e os aplicativos

bíbliadigital.png

Deus vê tudo, sabe tudo e pode tudo. Antes de existir qualquer coisa existia Deus.

Portanto, para Deus, não haveria problema algum em criar aplicativos e smartphones desde o início dos tempos. Ele apenas omitiu isso na bíblia pois os Apps da antiguidade eram motivos de imensas frustrações.

Vocês estão prestes a conhecer a verdade até hoje não revelada, trazida a luz pela mão dos Templários Espaciais, seita secreta que guarda os livros sagrados mágicos e só se comunica com a humanidade através do Toda Unanimidade.

Vamos aos fatos:

Adão foi o primeiro usuário mundial do Tinder, não teve grandes dificuldades em fazer a conta, porém aborreceu-se rapidamente quando todas as suas buscas indicavam apenas a Eva. Passaram algumas gerações até que o aplicativo voltasse a fazer sucesso.

Noé, por sua vez, era um usuário fanático do Instagram, fotografava os animais da Arca mas também aborreceu-se. Nunca conseguiu mais de 5 curtidas numa foto. E só chegava às 5 quando a mulher não esquecia de carregar o celular.

Quando a terra secou e arca aproximou-se do monte Ararat a troca de Emojis foi intensa. Noé enviou para Deus um emoji de pomba e recebeu em troca uma folha de oliveira. Ao deixar a embarcação todos receberam emojis de arco-íris.

Moisés era daqueles que não sabia usar direito o Smartphone. Passou 40 anos perdido no deserto em busca da terra prometida e só no trigésimo nono ano alguém lhe mostrou o Waze.

Sansão era o maior fã das selfies. Egocêntrico, fez sucesso exibindo os longos cabelos e músculos torneados. Sucesso que incomodou Dalila e o resto da história todos sabem.

Os Haters do Twitter pegaram no pé do rei Salomão. Foram milhões de pedidos de #forasalomao quando ele sugeriu que se dividisse uma criança ao meio. Afinal, divisão igualitária é coisa de Comunista. Vai para o Oriente, gritavam alguns, já que Cuba ainda não existia.

Davi, por ser uma criança na época em que venceu Golias, era o único da bíblia que conseguiu usar o Snapshat e eu não posso dizer o que ele fez com o Snap porque não consigo entender esse aplicativo.

O único app que não havia naqueles tempos era o Uber, devido a inexistência de carros. Porém, o Biguber era igualmente eficiente e ajudou muito os três reis magos que nada conheciam de Israel.

O WhatsApp foi muito útil nos tempos de Jesus. O grupo “Apóstolos” mudou a história do mundo. O que não se pode confirmar é o vazamento de nudes da Maria Madalena. Quando perguntaram a Tomé ele foi evasivo: “Só acredito vendo”.

Falando em Jesus, seu vlog o alçou para a categoria de maior Influencer da humanidade reinando absoluto até o vlog do Maomé entrar no ar. O vídeo do sermão da montanha teve mais de 6 milhões de views, transformando Jesus no Gangnan Style do Império Romano.

Essas são apenas algumas das muitas histórias ocultas dos livros sagrados. Se os meus informantes me derem licença, trarei outras, igualmente reveladoras. Preciso me recolher agora para encontrar meu grupo divino. Torcendo que curtidas transcendentais enfeitem este post.

Blogueiro me chamou de Quadrúpede e foi preso

Captura de Tela 2017-03-22 às 15.55.45.png

Imagino que todos saibam da condução coercitiva do blogueiro Eduardo Guimarães na Operação lava Jato. Se nunca ouviram falar disso, podem se informar aqui.

Dias antes da polícia bater em sua porta ele me chamou de quadrúpede, como a foto acima prova. Os dois fatos não tem relação, só coloquei no título do post para chamar atenção.

O que me deixa curioso na história é o motivo do xingamento. Dá pra ver que eu provoquei, mas será que ele precisava ter sido tão ofensivo?

Mas as coisas funcionam assim nas redes, né?

Um amigo jornalista de esportes é xingado em todo e qualquer comentário que faz no Twitter:

_ São Paulo jogou Bem!

_ VSF seu bambi cuzão!

Ou então:

_ São Paulo jogou mal!

_ VTNC gambá!

Ele foi xingado até por elogiar o hino do fluminense.

_ Virou crítico de música, palhaço.

Quem faz comentários políticos sofre em dobro.

Uma pessoa no Twitter defendia o direito das pessoas “de bem” portarem armas. Eu perguntei o que eram pessoas “de bem” e recebi como resposta uma chuva de xingamentos, ofensas e ameaças. Aparentemente, pessoas “de bem” xingam adoidado.

Não sei o motivo pelo qual as pessoas tem tanto prazer em ofender quem pensa diferente e já digo que não desejo o mal deste notável blogueiro que me atribuiu duas pernas a mais. Apenas torço para que ele não engrosse o coro das pessoas “de bem” que amam pregar o ódio.

E só para deixar bem claro, não há mesmo relação entre a ofensa que recebi e a prisão do ofensor dias depois. Minha influência na Polícia Federal não é tão grande como pensam.

 

 

Marli ´n Kedin

Captura de Tela 2017-03-15 às 18.36.36.png

Marli estava ansiosa, precisava chegar em casa a tempo de ver Camila acordada. A menina, em fase de tirar as fraldas, não via a mãe todas as noites.

Era comum Marli ficar até mais tarde no banco. Verificava planilhas, refazia cálculos. Quando tinha uma apresentação importante passava horas revendo o Power Point e treinando suas falas.

Miguel, o marido, estava acostumado. Dono de uma loja de pneus, sofreu um pouco no começo com as ausências da esposa. Depois, porém, passou a se acostumar com o conforto material que os bônus de Marli proporcionavam.

A primeira vez que o bônus superou os cem mil reais foi comemorada em Paris, na segunda vez, Marli já estava grávida.

Camila crescia menos rápido do que a fama da mãe no banco. Impiedosa com a equipe e obcecada por detalhes, Marli brilhou em todos os projetos que se envolveu.

Ao chegar em casa naquela noite, deu com Miguel saindo do quarto de Camila. A menina acabara de dormir. Ele fez sinal de silêncio com o dedo indicador em frente aos lábios e a chamou para comer algo. Ela o beijou na bochecha e disse que precisava trabalhar um pouco. Pegou um pacote de Pringles e abriu o notebook.

Ele, cansado de esperar por companhia, ficou em pé ao lado observando-a entrar no LinkedIn.

_ Faz duas semanas  que você faz isso toda a noite.

_ É importante. Preciso saber o que está acontecendo no mundo. No banco eu não tenho tempo para nada.

_ O LinkedIn não é o mundo – Retrucou Miguel contrariado.

_ O mundo é o que você vai conhecer se eu não perder o foco.

Miguel saiu de mansinho, pegou outro pacote de Pringles e foi ver futebol na TV.

Eu estava errado

Esse vídeo de 1996 é imperdível. Nele, Paulo Maluf se defende. Ele havia proibido o cigarro nos restaurantes e os jornalistas se mostravam indignados com a medida. Os mesmos jornalistas também atacavam o prefeito por ele obrigar o uso de cinto de segurança.

O tempo mostrou que Maluf estava certo e TODOS os jornalistas que o entrevistavam tinham uma visão retrógrada.

Eu não me lembrava de forma alguma dessa polêmica, mas tenho certeza que em 1996 eu estaria do lado dos jornalistas, mesmo sem nunca ter fumado. Eu estava errado.

Em 1996 eu era odiava tanto o Maluf que falaria mal mesmo que ele inventasse a cura da Aids. Qualquer atitude do Maluf era abominável aos meus olhos.

21 anos depois fica evidente o papel de ridículo dos jornalistas e isso me pensar nos dias de hoje.

Será que continuo errando? Será que minha antipatia por Dória não faz que eu julgue seus atos de forma preconceituosa. Como verei daqui a 20 anos os julgamentos que faço hoje? Que erros acabamos cometendo graças a nossas convicções?

Não seria mais inteligente se:

_ Os petistas se julgassem a corrupção do PT com o mesmo rigor que colocam na questão do Pixo.

_ Os coxinhas batessem as panelas contra a corrupção Tucana da mesma forma que o fazem quando a Dilma discursava.

_ O Reinaldo Azevedo aceitasse que a ciclofaixa é importante, apesar de ter sido colocada por um petista.

_ O Ricardo Noblat entendesse que por mais que ele ame o Temer, é inadequado um presidente trabalhar para livrar corruptos da cadeia.

imagine daqui a 20 anos, quando em todas as cidades grandes os carros não puderem ultrapassar as 25 milhas por hora, como será assistir os debates sobre a velocidade nas marginais.

Que tal leitor começar a mudança dentro de você, admitindo os erros de quem você admira e aceitando os acertos daqueles que você odeia.

Quem sabe assim veremos os políticos de forma mais humana? Quem sabe assim poderemos entender um pouco mais aqueles de quem discordamos. Quem sabe poderemos ser menos grosseiros nas redes sociais.

A Moralização do Brasil

impeachment.png

No dia da votação do Impeachment eu estava no metrô a caminho de um churrasco. Viajava meio desgostoso pensando que a quebra institucional traria muitos problemas para o país, que era triste ver nossa democracia tão debilitada.

No mesmo vagão havia muita gente animada. Vestiam roupas e adereços verde-amarelos e pensavam de forma oposta a minha. Um rapaz que estava com esposa e filho me dizia que seria o começo da moralização do Brasil, um momento histórico.

Mais tarde, assisti um pouco da votação na TV. Cada um dos nobres deputados fez um pequeno discurso (numa língua que parecia um português arcaico) tratando de honradez, de resgate aos valores, de Deus e da família.

Muitos dos meus amigos me garantiram que era o fim da corrupção.

Hoje, quase um ano depois, decidi fazer um apanhado dos projetos de lei propostos pelos mesmos nobre deputados e  seus partidos desde a fatídica data. Vamos a eles:

Lendo a lista acima surgiu uma pulga do tamanho de um besouro atrás da minha orelha. Estou começando a desconfiar dos nobres congressistas. Tenho a sensação que as intenções deles teriam um fundo de auto-preservação.

Talvez seja exagero meu, as coisas devem estar mesmo nos trilhos, afinal não ouço mais o rufar de panelas nem vejo as ruas repletas de patriotas.

Qual a sua opinião, caro leitor? Será que estou sendo muito descrente?

A Verdade Sobre a prisão Eike Batista

Prisão de Eike Batista.jpg

Compartilhe antes que o Facebook e o WhatsApp censurem. A verdade que o jornal Nacional e a Folha não tiveram coragem de publicar.

Em 1990, Donald Trump esteve no Brasil cuidando de negócios e conheceu Luma de Oliveira em um evento. O Multimilionário americano ficou encantado com a beleza da modelo e começou a assediá-la sem sucesso. Ela dizia que era noiva. De nada adiantou a insistência de Trump. Luma o ignorou. Algo que nunca havia acontecido em sua vida.

Já nos EUA, Trump soube que o noivo era um jovem e pouco conhecido empresário brasileiro: Eike Batista.

Mesmo casado, Trump ainda tentou contatar Luma que continuou irredutível. Trump não aceitou a derrota. Jurou que se vingaria destruindo Eike, usaria seus recursos, sua fortuna, o que fosse possível para acabar com os negócios do rival.

Porém, Trump não imaginava que enfrentar Eike era tão difícil. O Milionário carioca ficava cada vez mais rico. Se envolvia em diferentes ramos e não parava de crescer. Mesmo com toda a sua fortuna, houve um momento em que Trump parecia um escoteiro diante de um gigante. O Mundo se curvava frente ao capitalista brasileiro.

Isso aumentou um o ódio de Trump que não aceitando a derrota, traçou seu plano. Só havia uma forma de ser mais poderoso que Eike, conquistando a Casabranca, possuindo o maior exército do mundo.

Tantos anos tinham se passado que Trump praticamente se esquecera de Luma. Eike já estava com outra esposa. A disputa não era mais pela atenção de uma mulher, Trump queria provar a si mesmo que era superior, que era maior.

Primeiro foi preciso destruir o império de Eike, plantando notícias falsas que derrubaram as ações de suas empresas. Até seu filho Thor foi atacado por um ciclista suicida.

Quando Trump soube que no Brasil juízes estavam prendendo políticos e milionários numa gigantesca ação contra a corrupção, ele percebeu a chance de fazer sua grande jogada.

Durante a Campanha para a presidência, o candidato republicano pediu ao amigo Putin que usasse seus espiões para forjar provas falsas contra Eike. O governador Cabral acabou sendo incriminado sem ter nada com a história, apenas para que as acusações contra Eike fizessem sentido.

Finalmente, no começo de 2017. o plano de Trump deu certo. Ele se tornou presidente e logo depois veio a ordem de prisão de Eike. o Ex-bilionário, em desespero, tomou um vôo para nova Iorque para implorar perdão ao seu algoz.

Só que com Trump não há perdão. ele sequer recebeu Eike. Apenas assistiu satisfeito a derrocada do rival. Entre charutos e taças de Dom Perignon, Trump dançou no salão oval, batendo na mesa e revendo cem vezes as fotos de Eike algemado. Agora a America pode ser grande de novo!

(Não vamos deixar que nos escondam essa verdade. Passe essa mensagem para o maior número de pessoas possível.)