Que ódio

angry-employee

Já experimentou falar com os dentes cerrados? Tente. Veja que falando assim parecemos vilões de novela. Ainda mais se a frase for agressiva. Faça um teste com a clássica fala de folhetim televisivo: “Vou acabar com aquela vigaristazinha de subúrbio”. Você perceberá que ficou uma perfeita Carminha ou uma Odette Roitman (para os mais velhos).

Não usamos esse tom de voz no nosso cotidiano. Em geral ele é reservado para brigas especiais como naquela hora em que seu gato aparece com um rato morto na cozinha ou o maridão com batom brega na cueca. Se você fala com os dentes cerrados todos dias, recomendo enfaticamente que busque um psicólogo (e um dentista).

Só que em nossas queridas redes sociais (e não só nelas) a fala com dentes cerrados e caixa alta virou regra.

O que fez com que o pacato brasileiro, aquele a quem Sério Buarque de Holanda chamava cordial, ficasse assim? É um tal de xingar a invejosa, de responder ao Palmeirense, de atacar a opinião do outro, de bloquear o velho amigo…

Ou as pessoas estão com a paciência no nível “Michael Douglas em Dia de Fúria” ou a cordialidade e a passividade tupiniquins não passam de uma lenda.

Acho que as duas explicações tem um punhado de verdade.

Depois de 500 anos sendo mal tratados pelos sujeitos que usam carro oficial, depois de aguentar desmandos e incompetência que vão desde o palácio presidencial até a atendente do posto de saúde, o brasileiro perdeu o bom humor.

Agora piadinhas sobre a situação não bastam, sofrer o ano inteiro para se divertir no carnaval não é suficiente e, portanto, nossos amigos dos gabinetes precisam começar a caprichar, caso contrário (e isso já está acontecendo), enfrentarão uma população com a faca entre os dentes.

Por outro lado, a história do brasileiro cordial, passivo, povo que caminha bovinamente para seu destino infeliz não é (e nunca foi) real. A história do Brasil é feita de revoltas e muito sangue. Guerras regionais, levantes e cangaços mostram que nosso povo tem sim o seu limite.

Agora me pergunto onde o ódio vai nos levar? Vejo petistas torcendo para a água acabar de vez e assim prejudicar o Alckimin. Vejo Tucanos torcendo para a economia do Brasil se escangalhar para que o PT afunde no lodo.

Eu não gosto dessa ideia. Penso que os políticos vem e vão e por pior que sejam quero continuar pagando minhas contas e tomando banho de chuveiro.

Penso também que no fundo, o que todos querem é um sociedade com mais oportunidades, respeito, segurança, saúde e aquela coisa toda que os políticos nos prometem nas propagandas de TV. Penso que todos concordam que o funcionário público, seja ele atendente do balcão da prefeitura, policial, juiz ou senador, trabalha para nos servir e para isso não precisa de carros especiais ou mordomias.

Em outras palavras, quem joga tachinhas na ciclofaixa não vai prejudicar o Haddad, mas pode machucar uma criança. Quem põe fogo na Banca de jornais não vai derrubar o Beto Richa, mas vai acabar com o sustento de um jornaleiro.

Nós brasileiros, que andamos bradando uns contra os outros cada vez mais, deveríamos tentar encontrar o verdadeiro motivo de nossas indignações e soluções positivas para os nossos problemas.

Dentes cerrados são importantes e inevitáveis nos dias de hoje. Mas se apertar demais é capaz de termos dentes quebrados e nada ganharemos com isso.

Anúncios

Azevedos x Willis

Captura de Tela 2015-06-19 às 13.29.17

Não existe mais direita ou esquerda insistem alguns amigos em instrutivos debates de boteco. Sou obrigado a discordar. Chame do que for, as pessoas tem ideologias e são sim separadas em polos. Antigamente eram liberais ou conservadores, depois surgiu a esquerda e direita.

Aliás porque será que chamavam socialistas de “esquerda” e capitalista de “direita”? A posição de EUA e URSS no mapa apontava para o contrário.

Independentemente disso, as redes sociais mostram que a polarização está mais acirrada do que nunca.

Baseado em minhas timelines e dando um pouco de crédito aos amigos que acham que a classificação tradicional está ultrapassada, vou criar uma nova, mais adequada aos perfis que tanto digladiam pelas questões tupiniquins e universais:

Vamos chamá-los de: Azevedos x Willis

Quem são:

Os Azevedos:

  • Eles odeiam muitas coisas: O Lula, o PT, a Dilma, José Dirceu, Cuba, menores que cometem crimes, o MST, o Jô Soares, ciclofaixas fora do padrão de qualidade e pessoas que pensem de forma diferente da deles,
  • Eles gostam de muitas coisas: Livre Mercado, da revista Veja, do Lobão, do Danilo Gentile, do FHC, privatizações, operação Lava-Jato e de pessoas que concordem com eles.
  • Eles são muito solidários com políticos presos na Venezuela, com os povo oprimido de Cuba, com os cristão prosseguidos pelo ISIS e com os famintos da Coréia do Norte.
  • Ele não se importam com trabalho semi-escravo na China, com a situação de Gaza, com a corrupção quando não é do PT e com alimentos transgênicos .

Os Willis

  • Eles odeiam muitas coisas: multinacionais, o Alckimin, a Globo, o Eduardo Cunha, Israel, a Veja, a mídia golpista, o Joaquim Barbosa, o mercado financeiro, transgênicos e pessoas que pensem de forma diferente da deles,
  • Eles gostam de muitas coisas: Da Dilma, do blog Sakamoto, do DCM, dos movimentos sociais (todos), de estatais, de programas sociais, da palavra “empoderar” e de pessoas que concordem com eles.
  • Eles são muito solidários com os palestinos, trabalhadores braçais chineses, mulheres, homossexuais e pessoas pobres.
  • Ele não se importam com a liberdade de expressão em Cuba, com a corrupção do governo atual, com os homossexuais no Iran e com as mulheres do Isis .

Os dois grupos são divertidos, ambos gostam de montagens falaciosas e sarcasmo para defender seu ponto de vista. E o mais importante, nunca deixam de descredenciar seus opositores intelectuais.

Como no Brasil, já diria Ricardo Boechat, sofremos de tudo menos de tédio, a cada semana temos uma polêmica nova para animar tanto os Azevedos como os Willis.

O assunto dessa semana é a viagem dos Senadores de oposição à Venezuela e a discussão sobre a maioridade penal.

Mas não importa o tema, a polêmica, a discussão. Tanto para os Azevedos como para os Willis, as verdades são montanhas, não se podem mover. Então não há motivos para ouvir o outro lado ou pensar de forma diferente. Melhor rebater tudo, usar frases feitas e ganhar sempre a discussão. Ou ainda melhor, travar debates com pessoas que pensem sempre da mesma maneira, onde a unanimidade impera e não é preciso questionar-se.

Morte

Death pathway

Estou lendo “Um Dia”, best seller do inglês David Nicholls. E esse simpático livrinho de amor me deu vontade de escrever sobre a morte.

Provavelmente não seguiria em frente se ontem não fossem noticiadas três mortes que me chamaram a atenção.

_ O Filho do Governador Alckmin, muito jovem, que morreu num acidente de helicóptero

_ Ricardo Della Rosa, um diretor de fotografia brasileiro brilhante e admirado por todos, levado pelo câncer aos 41 anos.

– Manoel de Oliveira, cineasta português que faleceu aos 106 anos de idade (isso mesmo, 106).

Até que um analista prove o contrário, a morte não é uma preocupação que me ataca em especial, não há ninguém em minha família doente ou que inspire maiores preocupações. Foi realmente a soma dessas situações que acabou me despertando para o tema.

Pensando nos mortos de ontem, dois provocaram imensa comoção. Eram jovens, se esperava que fizessem muito, que aproveitassem da vida mais do que aproveitaram. Eles perderam anos em potencial e as pessoas que os conheciam ficaram sem o prazer de seu convívio. No caso do Della Rosa, o mundo perdeu imagens maravilhas que ele certamente faria.

Quando falamos porém do Manoel Oliveira, a dor é menor. Por mais que isso pareça insensível, era de se esperar que ele partisse e não há como dizer que o tempo que tinha para criar, fazer o que gosta ou conviver com quem amava tenha sido pouco.

Mesmo assim, sua família e os mais próximos devem ter sofrido. Quem está preparado para morte? Quem pode aceitá-la com serenidade?

No livro de David Nicholls, que inspirou essa crônica, o personagem Dexter pensava justamente isso, não estar preparado para a grave doença da mãe:

“…Sempre imaginou que aos quarenta e cinco ou talvez cinquenta anos ele teria algum tipo de equipamento mental que o ajudasse a lidar com a iminente morte de um dos pais, se ao menos tivesse esse equipamento, estaria tudo bem. Poderia se mostrar nobre e altruísta, sábio e filosófico. Talvez pudesse ter seus próprios filhos, usufruindo assim da maturidade que vem junto com a paternidade, a compreensão da vida como um processo.

Mas ele não tem quarenta e cinco anos, tem vinte e oito. E a mãe tem quarenta e nove. Houve um terrível engano. A sincronia não funcionou, e como ele poderia lidar com isso, a visão extraordinária da mãe minguando daquele jeito?…”

Caro Dexter, se você tivesse filhos e os tais quarenta e cinco anos, nada adiantaria, somos sempre crianças diante da morte.

Creio que até o moribundo seja mais preparado para enfrentar a própria sina do que os que ficam.

No Brasil poucos conheciam Levon Helm, vocalista e baterista do “The Band”. Ele morreu de câncer em 2012. Em 2011 ele fez uma pequena apresentação ao lado de amigos num evento. É interessante ver no vídeo ele tocando banjo, muito rouco e numa magreza assustadora. Enquanto seus companheiros fazem força para conter as lágrimas, Levon está muito feliz, soltando o pouco da voz que sobrou, aproveitando o momento. Enquanto todos olham para ele e pensam na morte, Levon curte o que lhe resta da vida.

Agradeço a Levon Helm pela pequena lição. Vamos aproveitar o que temos, curtir o momento, ficar próximos daqueles que nos fazem bem. Afinal, jamais saberemos se vamos comemorar os cem anos, como fez Manoel de Oliveira, ou se sucumbiremos de repente, como infelizmente acontece com tantos.

Para quem se interessar, o vídeo de que falei:

Pega na Mentira

Captura de Tela 2015-02-10 às 19.13.46

A novidade é que o povo está indignado e dessa vez não são os 20 centavos. Descobriram que os políticos mentiram nas últimas eleições. E quem está mais revoltado é o paulista, que foi engambelado pela Presidenta e pelo Governador.

Em muitos países a mentira não é bem vista, não se recomenda que os políticos falem uma coisa e façam outra. Aqui no Brasil não é bem assim, provavelmente esta é a primeira vez a mentira provoca uma reação tão negativa.

Falo isso com convicção. Desde sempre vejo políticos inventando as histórias mais estrambólicas em eleições e isso nunca foi problema para ninguém. O sujeito mostrava metrô que ainda não havia construído, hospital sem equipamento, escola sem professor, colocava uma musiquinha e estava tudo bem. _ “Vou construir 700 creches, 45 postos de saúde!” Depois ninguém se preocupava em verificar se ele fez ou não.

Houve uma época em que candidatos prometiam criação de postos de trabalho, um dizia que seriam 8 milhões e aí o concorrente trucava com 10 milhões. Mais fácil que blefar no poker.

Sempre me perguntei porque as pessoas insistiam em acreditar. Aliás, como em tudo na nossa ação política, a capacidade do Brasileiro aceitar ser embromado é seletiva, muda conforme seu gosto partidário. Assim, os Petistas não engolem as mentiras do Alckmin, mas acreditam em qualquer palavra que saia da boca do Zé Dirceu, e vice-versa.

Mas creio que esse tipo de ingenuidade não ocorra somente em nossas escolhas políticas. Quantas pessoas não se deixam enganar graciosamente em suas relações amorosas ou profissionais? Quantas mulheres não investem em relacionamentos com homens que as traem ostensivamente e preferem acreditar que eles realmente fazem hora extra todos os sábados a noite? Quantos jovens entram numa empresa trabalhando 16 horas por dia com a promessa de que isso irá trazer mais oportunidades futuras?

O brasileiro aceitou o plano Collor, fiscalizou os supermercados em nome do Sarney, comprou ações da Petrobras incentivado pelo Lula. Sempre estamos dispostos a acreditar.

Talvez Dilma e Alckmin tenham confiado demais nisso, em nosso histórico de autoengano e acharam que a mentira não precisava ter limite. Deu errado.

Penso que estamos num bom momento para mudar nossas atitudes. E sugiro que como primeiro ato, passemos a desconfiar mais dos políticos antes de nos engajarmos em suas campanhas. Cobrar o adversário é mais fácil. Se petistas e tucanos exigirem mais de seus próprios candidatos estaremos num caminho melhor. Pode ser ingenuidade minha, mas prefiro acreditar nisso.

Todos Somos Quem?

Captura de Tela 2015-01-22 às 17.05.27

Perdoem-me o pessimismo, mas esse ano começou muito mal. Estou quase desistindo de acompanhar os noticiários. Fico em dúvida se sofro mais pela falta d´água, pela falta de energia, pelo pior time de ministros da história ou pelo aumento dos impostos.

O comentarista econômico nos diz que no cenário bom teremos crescimento perto de zero. Por favor me poupe do cenário ruim.

Vejo que a presidenta do meu país e o governador do meu estado mentiram ostensivamente para se reeleger e nos mostraram isso logo no primeiro mês de mandato. Pelo menos essa notícia não me surpreende.

O que me surpreendeu foi uma onda de violência no mundo todo. Não sei se minha sensibilidade anda exagerada ou se janeiro de 2015 foi mesmo um mês terrível para quem quer acreditar num mundinho melhor.

Comecemos pela França, pelos 17 chacinados. Passemos pela Nigéria, onde mataram 2.000 e ainda transformaram uma menina de 10 em bomba humana. Que tal ir à Argentina para enterrar um promotor assassinado antes de acusar a presidente, ou para Bagdá, Israel e Iêmen, onde ocorrerão outros atentados?

E aqui, no país do ar-condicionado, balas perdidas continuam levando crianças e dois surfistas foram executados de formas bem diferentes, ambos por forças de Estado. O primeiro condenado na Tailândia contou com grande solidariedade do nosso governo, e o segundo, pasmem, morto por nossas forças de segurança sem chance de defesa.

Somos todos Charlie?

Somos todos Nigerianos?

Somos todos Alberto Nisman?

Somos todos Ricardinho?

Ou somos todos acomodados que nos bastamos em compartilhar posts para ter a sensação de participar de um mundo que desabada em nossa volta.