Você ficaria do lado de Jesus?

Você ficaria do lado de Jesus?

Sou judeu, por isso me sinto um tanto constrangido em falar de Natal.

No meu ponto de vista, todo evento religioso (de qualquer crença) é uma forma das pessoas se aproximarem de Deus e uma chance de reflexão. Por outro lado, conheço pouco o novo testamento.

Dentre o pouco que conheço, há uma história que me chama a atenção, a de Jesus e a adúltera.

Um grupo de pessoas leva à presença de Jesus uma mulher flagrada em adultério para que ele a julgue. A lei da época era clara, a mulher deveria ser apedrejada até a morte. Esse era o desejo de seus acusadores. Eles queriam curtir uma tarde amena apedrejando uma mulher que se comportou mal.

Jesus os desapontou com a famosa frase: “Atire a primeira pedra aquele que nunca pecou“.

Acho que a mensagem de Jesus dizia 3 coisas:

1 – Tenhamos compaixão até por quem erra.

2 – Quem somos nós para julgar os outros?

3 – Cuidemos dos nossos próprios erros no lugar de ficar olhando os outros.

Imagino que os apedrejadores ficaram bem decepcionados com a mensagem, porém os mais espertos deles podem ter aprendido uma boa lição.

Você já pensou quantas situações em nossas vidas são parecidas com essa? Quantas vezes julgamos os outros e nos esquecemos de olhar no espelho?

Como nos colocamos diante de alguém que roubou, que mentiu, quem não agiu como deveria? Como nos colocamos diante do gay cujo jeito nos incomoda, da mulher que se veste de forma vulgar? Na hora de julgar, estaríamos no lugar de Jesus ou dos apedrejadores?

Vejam uns exemplos que achei nas redes sociais:

cmyk_Arte_Entrevista1.1-2.jpg

internauta-ameça-gay.jpg

1926b0e7ca154a176f21ed00bab2fa1e.jpg

Essas pessoas estariam de que lado? Será que estariam do lado de Jesus?

Como já falei no começo, nada entendo de cristianismo e não tenho a menor autoridade para falar do assunto. Tudo o que dissse aqui é palpite.

Ontem acabou a festa de Chanuka, quando os judeus tentam espalhar luz pelo mundo. Na minha ignorância, quando eu vejo as luzes natalinas penso que no fundo, todos gostam de espalhar a luz.

Então eu desejo a todos amigos cristãos um feliz natal e deixo a pergunta no ar:

No ano que vem, de que lado você quer estar? Da compaixão ou dos apedrejadores?

Anúncios

Lula, Jesus e Luke Skywalker

08_12_2015__08_48_59498052f34743696d3cfaf7903e39ff9dac012_640x480.jpg

O leitor que não é familiarizado com roteiros talvez não tenha ouvido falar na “Jornada do Herói”.

Trata-se de uma estrutura básica narrativa onde o herói é um jovem com algum tipo de predestinação messiânica. Este herói (que ainda não conhece sua missão) sai de casa e se lança numa aventura onde vão aflorar seu heroísmo e habilidades especiais, até que se confirme a profecia.

Se você prestar atenção em Guerra nas Estrelas, Matrix, Harry Potter, O Senhor dos Anéis e Jogos vorazes verá que todos se encaixam neste formato. Aliás, as origens da Jornada do Herói vem da antiguidade. As histórias bíblicas das vidas de Moisés e Jesus são típicos exemplos.

E onde entra o Lula na história?

A vida de Lula (excluindo-se os últimos anos) tem as estrutura narrativa idêntica à maioria destes personagens. Ele nasceu um ser humano comum, pobre, pertencente a um mundinho pequeno. Com o tempo, desenvolvendo habilidades de negociação, convencimento e carisma,  Lula evoluiu, enfrentou inimigos, dificuldades, até se parecer com um Messias que saiu do povo para salvar esse mesmo povo.

Nos primeiros anos de seu goveno, a profecia se concretizou: A inflação caiu, a economia cresceu, o desemprego sumiu, ganhamos a Copa. A narrativa perfeita se fechou.

Porém, por mais lindo que tenha sido observar uma Jornada do Herói na vida real, Lula não era Harry Potter e muito menos Jesus Cristo. Pena que seus seguidores acreditaram nisso. Ainda Pior, o próprio Lula parecia sentir-se ungido.

As maracutaias que vieram à tona mostram que a vida real é menos óbvia que a ficção e foi justamente o que disse Palocci na carta de desfiliação que enviou ontem.  Ele questiona se o PT é de fato um partido político ou uma “seita guiada por uma pretensa divindade”.

Lula nasceu pobre como Jesus, fez a travessia no deserto como um Moisés, tinha o corpo marcado como Harry Potter e enfrentou o Império como Luke Skywalker. Isso ajuda explicar porque tantos acreditaram em seus poderes. Porém, ao contrário de Frodo, Lula não resistiu a tentação do anel e o anel destrói que se deixa seduzir por ele.

A Jornada do Herói é linda, mas pertence ao mundo da narrativa, da ficção. Não podemos esperar que um Messias surja no Planalto e venha nos salvar. É o que muitos desejam quando idolatram seus candidatos. Mesmo o clamor de alguns pela volta dos militares não deixa de ser uma esperança num ente mágico que vai nos redimir.

Não se iludam meus caros, nosso futuro depende do trabalho com erros e acertos de muitos homens de carne e osso e não da Força de Luke Skywalker, por mais sedutor que isso possa parecer.

A Bíblia e os aplicativos

bíbliadigital.png

Deus vê tudo, sabe tudo e pode tudo. Antes de existir qualquer coisa existia Deus.

Portanto, para Deus, não haveria problema algum em criar aplicativos e smartphones desde o início dos tempos. Ele apenas omitiu isso na bíblia pois os Apps da antiguidade eram motivos de imensas frustrações.

Vocês estão prestes a conhecer a verdade até hoje não revelada, trazida a luz pela mão dos Templários Espaciais, seita secreta que guarda os livros sagrados mágicos e só se comunica com a humanidade através do Toda Unanimidade.

Vamos aos fatos:

Adão foi o primeiro usuário mundial do Tinder, não teve grandes dificuldades em fazer a conta, porém aborreceu-se rapidamente quando todas as suas buscas indicavam apenas a Eva. Passaram algumas gerações até que o aplicativo voltasse a fazer sucesso.

Noé, por sua vez, era um usuário fanático do Instagram, fotografava os animais da Arca mas também aborreceu-se. Nunca conseguiu mais de 5 curtidas numa foto. E só chegava às 5 quando a mulher não esquecia de carregar o celular.

Quando a terra secou e arca aproximou-se do monte Ararat a troca de Emojis foi intensa. Noé enviou para Deus um emoji de pomba e recebeu em troca uma folha de oliveira. Ao deixar a embarcação todos receberam emojis de arco-íris.

Moisés era daqueles que não sabia usar direito o Smartphone. Passou 40 anos perdido no deserto em busca da terra prometida e só achou o caminho no trigésimo nono ano alguém lhe mostrou o Waze.

Sansão era o maior fã das selfies. Egocêntrico, fez sucesso exibindo os longos cabelos e músculos torneados. Sucesso que incomodou Dalila e o resto da história todos sabem.

Os Haters do Twitter pegaram no pé do rei Salomão. Foram milhões de pedidos de #forasalomao quando ele sugeriu que se dividisse uma criança ao meio. Afinal, divisão igualitária é coisa de Comunista. Vai para o Oriente, gritavam alguns, já que Cuba ainda não existia.

Davi, por ser uma criança na época em que venceu Golias, era o único da bíblia que conseguiu usar o Snapshat e eu não posso dizer o que ele fez com o Snap porque não consigo entender essa droga de aplicativo.

O único app que não havia naqueles tempos era o Uber, devido a inexistência de carros. Porém, o Biguber era igualmente eficiente e ajudou muito os três reis magos que nada conheciam de Israel.

O WhatsApp foi muito útil nos tempos de Jesus. O grupo “Apóstolos” mudou a história do mundo. O que não se pode confirmar é o vazamento de nudes da Maria Madalena. Quando perguntaram a Tomé ele foi evasivo: “Só acredito vendo”.

Falando em Jesus, seu vlog o alçou para a categoria de maior Influencer da humanidade, reinando absoluto até o vlog do Maomé entrar no ar. O vídeo do sermão da montanha teve mais de 6 milhões de views, transformando Jesus no Gangnan Style do Império Romano.

Essas são apenas algumas das muitas histórias ocultas dos livros sagrados. Se os meus informantes me derem licença, trarei outras, igualmente reveladoras. Preciso me recolher agora para encontrar meu grupo divino. Torcendo que curtidas transcendentais enfeitem este post.

Eu não gosto de ver homens se beijando

boticario-dia-dos-namorados

Eu não gosto de ver homens se beijando.

É duro dizer isso justamente na semana em que os ânimos estão acirrados pela imensa discussão iniciada com a campanha do Boticário em que casais gays se presenteiam no dia dos namorados.

Muitas pessoas, especialmente cristãos evangélicos (alguns bem famosos) sugeriram um boicote à rede de perfumarias. Outras pessoas se solidarizaram e defenderam a iniciativa. Obviamente a polêmica era esperada pela marca que fez história ao usar gays em sua comunicação.

Para aumentar a polêmica, ainda tivemos a parada gay com alguns manifestantes usando símbolos cristãos como forma de protesto e até provocação.

Enfim, prato cheio para a polêmica no coração dos brasileiros e consequentemente nas redes sociais. Incitações a ação, discursos apaixonados, pessoas cheias de razão bloqueando amigos de um lado e de outro.

Este cronista não tem muito mais a acrescentar à discussão, apenas essa confissão. Puxando fundo em minha alma, eu declaro que não gosto de ver homens se beijando.

Motivo: Não sei.

Talvez minha criação, talvez algum recalque, posso descobrir um dia na análise, mas estou sem analista e quando arranjar um haverá outros temas anteriores. Demorarei a descobrir.

Porém é importante (e aqui se encontra o motivo deste pequeno texto) afirmar que o fato de eu não gostar de algo não deve e não pode ser motivo para a sua proibição. As pessoas que se beijam ou deixam de beijar não podem agir influenciadas pelos meus gostos e costumes.

Se minha vontade fosse lei, estariam proibidos:

  • Uso de bonés a noite
  • Alargadores de orelha
  • Maionese industrial
  • Pastores no congresso nacional
  • Sanduíche de mortadela do mercadão
  • Fondue de carne (esse seria o mais proibido de todos)
  • Caipirinha de Sakê
  • CPI’s
  • Novos filmes da saga Guerra nas Estrelas
  • Televisores 4K
  • O programa do João Kleber

Enfim, se eu não gosto de beijos masculinos devo virar o rosto e olhar para o outro lado quando homens se beijam. E segue a vida.

Aos que falam em nome de Jesus para defender sua posição, não tenho muito a dizer, já que sou judeu e não entendo do assunto. Mas do pouco que sei de sua história, consta que ele defendeu a prostituta Maria Madalena quando povo queria apedrejá-la pelos seus pecados. Essa passagem me parece bastante adequada.

Gosto do comercial do Boticário. É um marco na história da propaganda brasileira e depois dele virão outros já que a barreira foi quebrada. Pode ser que em algum deles, dois homens de boné e alargadores de orelha se beijem durante uma CPI onde caipirinha de sake é servida. Eu olharei para o lado, torcendo com todas as forças para que não façam propagandas de fondues de carne.