O Golpe, explicado tim tim por tim tim.

Captura de Tela 2017-05-23 às 10.18.06.pngFoi Golpe. Foi uma armação dos tucanos com a Globo, o PMDB e a Lava Jato para desvalorizar a Petrobras e entregar a estatal para os gringos. Prova disso é que o PMDB queria acabar com Lava Jato e só podia faze-lo tirando a Dilma que não estancava o sangue da operação. Afinal, foi o PT que criou a Lava Jato que persegue todos menos o Tucanos. Antes do PT a Polícia Federal não podia trabalhar. Se bem que o Aécio vai ser preso por entregar uma mala de dinheiro para o dono do helicóptero de cocaína. Mas a prisão do Aécio foi um plano dos comunistas da Globo e dos artistas lei Rouanet para tirar a atenção sobre o Lula, que nunca é preso. Provavelmente tem coisa com o Moro que soltou o Youssef no caso Banestado. Tem também o Teori, que sempre trabalhou para o PT mas quando caiu o avião, a culpa foi do PT que já matou o Celso Daniel. É evidente que a Veja queria evitar os pobres nos aeroportos e a Fiesp queria a acabar com a CLT, afinal, o PMDB do Skaf paga as contas do MBL e a JBS do filho do Lula pagava mesada para o Aécio e para o Cunha, o deputado que perseguia a Dilma e foi preso pelo Moro que trabalha para o FBI e, assim como o Cunha, também perseguia a Dilma. Já a lei Rouanet, criada pelo Sarney, pagou um show do ex-genro do Chico Buarque, então, ele aceitou apoiar o PT que trabalha para o Venezuelano Chavez mesmo depois de morto. Enquanto isso, os Irmãos da dupla goiana Wesley e Joesley, sócios do filho de Lula que limpava bosta de elefante, fogem dos blackblocs no apê de trinta milhas em Nova York, cidade onde Dória passeia com Loures, o da mala de dinheiro do Temer. Longe dali, Bolsonaro manda todos a merda e diz que vai distribuir uma arma para cada brasileiro enquanto evita que se lembre que ele foi terrorista nos anos 80. Já o Reinaldo Azevedo tece longos elogios ao Reinaldo Azevedo e se esquece da Marisa, a verdadeira culpada, aquela que falava palavrões como o Ciro, o impoluto, que brada “fora Temer”.

E a Marina?

Essa ninguém encontrou.

O político e a empreiteira

corrupto.png

Ele avançou pelo recepção da empreiteira com passos tímidos. O tamanho do prédio o impressionara. Não sem motivo, o hall de entrada tinha proporções exageradas, a luz do sol atravessava as paredes de vidro espelhado e vazia brilhar o mármore do piso.

Diante de uma das recepcionistas, anunciou:

“Vim falar com o seu Marcelo”.

“Qual Marcelo?”.

“Ué? O Dono. O homem que manda”.

A recepcionista estranhou os modos e as roupas simplórias do visitante.

“O senhor é aguardado?”

“Eu sou político, minha filha. Não preciso marcar hora.” Respondeu transformando a timidez em prepotência.

O tom alto da voz chamou a atenção dos seguranças que se aproximaram discretamente. Outros visitantes que estavam na fila também se interessaram pela conversa.

“Qual o nome do senhor?”

“Claudisson Silva, mas meu apelido é Kaka do Posto”.

A essa altura a segurança já se comunicava por rádio e o departamento de RP havia sido avisado. A recepção estava cheia. Fornecedores engravatados, portadores segurando pastas, candidatos a vagas de emprego e entregadores de lanchonetes testemunhavam a cena.

A recepcionista pediu que o homem esperasse num sofá ao lado, alguém desceria para atendê-lo.

Em 4 minutos apareceu um assessor gordinho, apertado em um terno Hugo Boss e chamou o homem de lado.

“Prazer, eu sou político, Kaka do Posto. O senhor é o seu Marcelo?”

“O Marcelo não está. Eu posso te ajudar?” O assessor falava baixo na esperança de que o homem o imitasse.

“Eu sou político. Eu tenho apelido. Eu vim porque estou precisando de um dinheirinho”.

As pessoas na fila da recepção encaravam os dois. O Assessor vislumbrou a porta que dava para a escada de emergência e puxou Claudisson até lá. Atento, um segurança os acompanhou.

Isolados pela escada, o clima mudou.

“Político o Caralho!” Esbravejou o assessor enquanto procurava um grampo na roupa do visitante. Este, se defendeu puxando um papel dobrado do bolso.

“Olha aqui então” Bradou mostrando o diploma de posse. Claudisson era vereador eleito em Jandira. Conhecido como Kaka do Posto.

O assessor olhava o diploma xingando mentalmente o chefe que o colocara naquela situação. Kaka do Posto insistia.

“Eu sou vereador, eu tenho apelido. Eu sei que vocês ajudam tudo que é político com apelido. Eu tô ferrado de grana”.

“Taqueopariu, era o que me faltava”. Depois de xingar o mundo o assessor agiu de improviso, sacou uma nota de R$100,00 da própria carteira e ofereceu.

“Só isso?” resmungou Kaka. O assessor olhou para o segurança com cara de súplica e ouviu como resposta.

“Só tenho vinte”

“Serve!” Sorriu o visitante.

“Então pega essa grana e some da minha frente”.

Kaka pegou as duas notas o mais rápido que pode, deu uns passos na direção da saída, mas parou repentinamente e voltou-se para o assessor.

“Tem algum prá condução?”

Obteve um dedo do meio como resposta.

 

 

 

 

 

 

 

 

Pornografia e política

16347457380.jpg

Aviso: Não leia se você tem menos de 18 anos.

Sempre me diverti com os títulos que produtores de filmes pornô escolhem para suas paródias de cinema. “Despedida em Las Vegas” vira “Despedida em Las Pregas” e “Senhor dos Anéis” se transforma em “Senhor dos Anais”.

Lembrei disso ao ler na Folha que uma produtora brasileira lançou um filme pornô parodiando a atual situação política brasileira: Operação Leva-Jato.

Imagino que o filme deva ser bem realista. Afinal, se tem suruba, sacanagem, troca-troca e um tentando “foder” o outro, qual a diferença em relação ao nosso atual cenário político?

Aliás uma das figuras que mais apareceu no movimento pró impeachment foi o ator pornô Alexandre Frota.

Mas não consegui deixar de imaginar qual seria o roteiro do filme. Sem ter acesso ao original, resolvi criar uma sinopse, ou pelo menos, um apanhado de ideias, usando alguns personagens reais num ambiente onde elogiar a mandioca tem um significado totalmente diferente.

O Filme tratará do embate entre o MBL e o MST. Ou seja Movimento da Bunda Livre contra o Movimento dos Sem Teta.

Tudo começa com uma grande suruba na Petrobras, porém as tramoias são descobertas pelo Teori Xavasca e pelo Lavandorolowski.

O ator principal é um japonês que prende Delcídio Amapau,  Jorge Luiz Pelada e Marcelo Odeprexecat.

O diálogo mais marcante acontece entre um deputado e um juiz:

_ Pode liberar o CUnha, não precisa Temer.

No final, todos vão presos (até o Felicianus) e continuam suas orgias atrás das grandes enquanto Tirapica, o único deputado remanescente, assume a presidência.

P.S. Contribuíram involuntariamente com esse texto Caetano Scatena e Adriana Brunstein, em um almoço regado a molho Shoyo e abobrinhas.

 

 

 

A Nação Dividida

Luto morte falecimento pesar.jpeg

A nação dividida.

A mulher mais poderosa é difícil de compreender.

A movimentação política.

Grandes investigações.

O herói acima da lei.

O congresso pegando fogo.

Já não sabemos mais quem é herói e quem é vilão.

Milhões gastos.

A influência da imprensa.

Os empresários sem limites.

A força do crime.

Tudo o que foi construído sendo destruído.

A sensação do luto.

Enfim, achei Batman vs Superman bem legal.